Serra pede a Lula ousadia na meta de redução de CO2

Governador paulista sanciona lei estadual que prevê corte na produção de gás do efeito estufa

Carolina Freitas, da Agência Estado,

09 Novembro 2009 | 16h34

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), sancionou nesta segunda-feira, 9, lei que cria a meta estadual de redução de emissões de gás carbônico e pediu que o governo federal siga a "ousadia" paulista. "O Brasil deve ceder e pressionar os outros países. Não se trata de ajoelhar no milho ou se autoflagelar, mas de avançar em relação ao futuro", defendeu o governador.

 

Lula diz que levará propostas ambiciosas a Copenhague

Lula confirma que não levará meta numérica a Copenhague

Transporte será desafio para SP reduzir emissões

 

O evento no Palácio dos Bandeirantes, para 400 convidados, entre eles 30 prefeitos paulistas, aconteceu ao mesmo tempo em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva discutia na capital paulista a meta que levará para a Conferência de Copenhague, em dezembro. 

 

A Política Estadual de Mudanças Climáticas estabelece uma diminuição de 20% nas emissões até 2020, em relação a 2005, o que significa emitir 24 bilhões de toneladas de gás carbônico a menos do que em 2005. Lula ainda não definiu se levará um número a Copenhague. O Ministério do Meio Ambiente briga por uma redução de 40% até 2020 em comparação com a tendência de poluição, ou seja, em relação à quantidade de emissões caso nenhuma medida fosse tomada. 

 

Questionado se julgava ambiciosa a possível meta federal, Serra respondeu: "Não, especialmente porque ela leva em conta a desaceleração da emissão, o que é muito diferente de uma redução absoluta." O governador esforçou-se em afirmar que, embora o porcentual da meta paulista seja mais baixo que o da federal, a redução efetiva seria maior em São Paulo. "É muito importante que não se faça confusão, como tanta coisa que se confunde no nosso País." 

 

O secretário paulista do Meio Ambiente, Xico Graziano, deu ênfase à comparação. "Nossos 20% vão muito além dos 40% que o Brasil pode decidir adotar", afirmou. "Falta coragem ao governo federal para agir com a mesma altivez do governo de São Paulo." Para Graziano, o governo Lula está sendo "conservador" em relação à fixação da meta ambiental. "A política hoje se divide entre aqueles que topam a agenda ambiental e aqueles que a temem, os progressistas e os conservadores."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.