Senador democrata pede medida protecionista na lei climática

Importante líder do Senado americano diz que é preciso proteger a indústria americana da competição desleal

Reuters,

10 Novembro 2009 | 17h56

Um importante senador dos Estados Unidos fez um apelo por fortes proteções comerciais que podem  vir a complicar as negociações do novo tratado sobre mudança climática, enquanto o secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, viaja para Washington a fim de pressionar a favor do acordo.

 

ONU crê em acordo em Copenhague, mas já não espera tratado

Comissão do Senado dos EUA aprova projeto de lei sobre clima

Obama vê aumento do consenso em torno de lei climática

 

O senado americano está redigindo uma lei para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa nos Estados Unidos, mas há uma forte oposição da bancada do Partido Republicano e de democratas moderados, por conta do possível impacto econômico das medidas. 

 

A batalha é travada num momento em que os EUA e outras nações preparam-se para uma cúpula de 7 a 18 de dezembro em Copenhague, para elaborar os próximos passos na luta contra a mudança climática e a devastação que a transformação do clima poderá trazer.

 

O senador Max Baucus, um democrata moderado influente, disse que qualquer lei climática dos Estados Unidos terá de incluir fortes "medidas de fronteira" para proteger a indústria americana da competição desleal.

 

"Não podemos permitir que nossas indústrias desapareçam como resultado do comércio com países que se recusam a negociar soluções globais para preocupações globais", disse Baucus, que preside o Comitê de finanças do Senado, responsável por redigir parte da lei climática.

 

Ações americanas para proteger indústrias que consomem energia intensivamente, como a siderúrgica e a do cimento, irritaram parceiros comerciais como a China.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.