Senado dos EUA revela mais detalhes de projeto de lei ambiental

Senadores democratas vão pressionar por uma lei de mudança climática que daria, inicialmente a nenhum custo, licenças de poluição a uma variedade de indústrias, semelhante à lei aprovada pela Câmara dos Deputados em junho passado.

RICHARD COWAN, REUTERS

24 Outubro 2009 | 11h58

Os detalhes, revelados pelo Comitê de Trabalhos Públicos e Ambientais do Senado, mostram que a lei democrata daria aproximadamente 30 por cento das licenças de poluição livre a empresas elétricas e outros cinco por cento a empresas que comercializam carvão. As licenças têm o objetivo de amenizar a transição dessas empresas para combustíveis mais limpos e evitar o aumento no preço final ao consumidor.

Uma análise feita pela Agência de Proteção ao Meio Ambiente dos EUA disse que, sob a lei do Senado, os consumidores sofreriam apenas um aumento "leve" nos custos em relação ao impacto da legislação da Câmara, que foi estimado entre 80 a 111 dólares por ano.

A lei, que está sendo trabalhada no Senado pela presidente do comitê Barbara Boxer e pelo senador John Kerry, enfrenta oposição da maioria dos republicanos e de muitos democratas moderados.

Outras licenças livres destacadas pelos democratas no Senado incluem 9 por cento para empresas locais de distribuição de gás natural e 4 por cento para fabricantes de aço, cimento, papel, vidro e outras indústrias intensivas em energia em 2012 e 2013 --aumentando para 15 por cento em 2014 e 2015.

Os clientes de empresas de energia receberiam cerca de 35 por cento de subsídios para ajudá-los a compensar o aumento nos custos de energia à medida que as empresas deixam de lado combustíveis fosseis mais baratos e altamente poluentes como o carvão.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE SENADO EUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.