Stephane de Sakutin/AFP
Stephane de Sakutin/AFP

ONU diz que esforços para reduzir emissão são insuficientes

Milhares de pessoas estão protestando em diversas cidades ao redor do mundo para pressionar os líderes globais por um acordo

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2015 | 14h06

PARIS - O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, afirmou neste domingo, 29, que os esforços para a reduzir a emissão de poluentes não são suficientes e devem ser revistos antes de 2020. Em entrevista na véspera da COP-21, que começa nesta segunda-feira, 30, em Paris, ele afirmou que os planos para cortes nas emissões devem ser revistos a cada cinco anos.

"Eu proporia que a primeira dessas revisões acontecesse antes de 2020", comentou o secretário-geral da ONU.

Milhares de pessoas estão protestando neste domingo em diversas cidades ao redor do mundo para pressionar os líderes globais que se reunirão em Paris a chegar a um acordo sobre a redução na emissão de poluentes.

Em Londres, políticos e celebridades se juntaram aos manifestantes. O líder do Partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, disse que a COP-21 é uma enorme oportunidade para discutir mudanças climáticas, poluição, desigualdade e refugiados ambientais. "Se quisermos fazer a diferença em Paris, todos esses assuntos precisam ser discutidos", comentou.

Em Paris, a polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar um grupo de manifestantes que protestava contra as mudanças climáticas. A capital francesa está sob forte esquema de segurança para a COP-21, que começa oficialmente nesta segunda-feira e deve contar com a participação de quase 150 chefes de Estado. Os manifestantes gritavam: "Estado de emergência não vai tirar nosso direito de manifestação".

Um pouco mais cedo, ambientalistas e outros ativistas espalharam centenas de pares de sapato na Praça da República como forma de protesto, já que as manifestações populares estavam proibidas em função dos ataques terroristas do último dia 13, que deixaram 130 mortos.

Segundo fontes informaram à agência de notícias Associated Press (AP), grandes empresas devem anunciar nesta segunda-feira um esforço para destinar dezenas de bilhões de dólares para tecnologias de energia limpa.

O presidente francês, François Hollande, deve participar do anúncio, batizado de "Iniciativa Tecnologia Limpa", que será lançado pelo presidente da Microsoft, Bill Gates. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também é esperado.

Obrigatório. Já a secretária-executiva da Convenção das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), Christiana Figueres, garantiu ao Estado neste domingo que a COP-21 resultará em um acordo "legalmente vinculante", ou seja, que se tornará obrigatório para todos os países signatários

Christiana é a principal liderança da ONU sobre mudanças climáticas e exerce papel de mediadora das negociações diplomáticas que terão início nesta segunda-feira, 30. Questionada pela reportagem do Estado em Paris sobre se o acordo em discussão terá caráter obrigatório, a executiva foi taxativa: "Claro. Será um acordo legalmente vinculante". /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.