Pedro Calado/Secretaria do Meio Ambiente
Pedro Calado/Secretaria do Meio Ambiente

Secretário de Meio Ambiente de SP cai após rompimento entre PP e França

Maurício Brusadin tinha assumido o cargo há apenas 9 meses por indicação de Guilherme Mussi, presidente do PP; cargo agora será ocupado pelo adjunto Eduardo Trani

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 17h37
Atualizado 26 Junho 2018 | 19h16

O rompimento entre o PP e o governador Márcio França, anunciado na semana passada pelo presidente do partido, Guilherme Mussi, acabou sobrando para a Secretaria do Meio Ambiente. Apenas nove meses depois que foi escolhido para a pasta por indicação de Mussi, Maurício Brusadin foi exonerado nesta terça-feira, 26. A mudança foi anunciada hoje no Diário Oficial do Estado.

Ele tinha colocado o cargo à disposição na sexta, 22, depois que Mussi mandou uma mensagem de Whatsapp para França dizendo que estava rompendo a aliança e se aliando a João Doria para a disputa ao governo do Estado, conforme noticiou o Painel da Folha.

+++ Doria anuncia apoio do PP nas eleições 2018 e sugere vaga ao Senado para Paulo Skaf

Ao Estado, Brusadin disse que, apesar de não ser filiado ao PP, entende a posição de França, que teria sinalizado para que ele saísse do governo. “Não sou do PP, mas o Guilherme, por relação pessoal comigo, quando o governador (então Geraldo Alckmin) e ele desejaram mudar o Ricardo (Salles, então secretário, também ligado ao PP), acabou me indicando porque eu tinha sido presidente estadual do PV. Quando o PP agora tomou a decisão de sair, acho que não sobrou muita saída para o governador”, afirmou. 

“Evidente que o quadro era esse. Acabou sobrando para mim, apesar de não ser do partido”, continuou.

+++ Coligações partidárias: espaço em administração vira ativo na disputa em SP

A vaga será ocupada, ao menos temporariamente, pelo até então secretário adjunto Eduardo Trani. É a quarta pessoa a ocupar o cargo desde o início da gestão. 

“O que eu propus é que se prezasse a continuidade da gestão. Tínhamos muitas agendas em andamento e se tivesse descontinuidade poderia gerar muitos problemas. É o caso da entrada em vigor do Sinaflor (Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais), que se atrasar pode colocar em ilegalidade todo o setor madeireiro do Estado. Temos várias unidades de conservação com o plano de manejo quase pronto. Uma ruptura agora poderia atrasar tudo isso”, disse Brusadin.

Trani não tem relação com nenhum partido. França não se manifestou sobre a mudança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.