Secas no leste da África se repetem e podem ficar ainda piores

Aquecimento global pode resultar em secas ainda mais desastrosas, de acordo com os pesquisadores dos EUA

AP,

16 Abril 2009 | 19h30

O leste da África já está vivendo no limite e uma nova pesquisa que indica que secas ainda piores do que aquelas que devastaram a região no final do século XX são possíveis.

 

Cerca de 100 mil pessoas morreram em uma seca de várias décadas no Sahel que começou em 1960, e uma visão detalhada de sedimentos em lagos em Gana indicaram que tais períodos de seca ocorreram periodicamente, pontuados por ocasionais secas centenárias.

 

E a mudança climática poderia resultar em secas ainda mais desastrosas, de acordo com os pesquisadores norte-americanos que relatam suas descobertas na edição desta sexta-feira, 17, da revista Science.

 

"Claramente, muito do leste da África já está no limite de sustentabilidade, e a situação pode se tornar muito mais crítica no futuro com o aumento do aquecimento global", disse o pesquisador líder Jonathan Overpeck da Universidade do Arizona.

 

Os pesquisadores olharam sedimentos do lago Bosumtwi por cerca de três mil anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.