JF Diório/AE
JF Diório/AE

Seca faz Rio Solimões atingir recorde negativo de volume

Já o Rio Negro está medindo 16,02 m em um porto de Manaus. Em 2009, a medição era de 20,40 m

LIEGE ALBUQUERQUE, Agência Estado

08 Outubro 2010 | 18h37

A seca do Rio Solimões bateu nesta sexta-feira, 8, novo recorde: foram registrados 60 centímetros negativos na régua de medição no porto de Tabatinga, a 1.105 quilômetros de Manaus.

 

Veja também:

 

link Afetados pela seca recebem alimentos no Amazonas

link Amazonas foi único a aumentar desmatamento no acumulado do ano

 

O recorde anterior havia sido registrado no dia 7 de setembro, com 36 centímetros negativos - já abaixo da medida recorde no rio, segundo o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), de 2 centímetros negativos, em 2005. No mesmo dia de 2005, o Solimões estava com 54 centímetros.

"Essa estiagem já bateu os recordes no rio Solimões e já é a 15ª da história nas medições do CPRM", disse o geólogo Daniel de Oliveira.

 

Nesta sexta, o Rio Negro está medindo 16,02 metros na régua do CPRM em um porto de Manaus. Em 2009, na mesma data, a medição era de 20,40 metros.

 

Em 1963, ano da maior seca do Rio Negro, o nível foi de 15,91 metros. No ano da maior estiagem da história, a menor marca foi alcançada no dia 30 de outubro, com 13,64 metros.

Segundo a assessoria da Defesa Civil Estadual, 29 dos 62 municípios do Amazonas estão em estado de emergência, a maioria na região do Alto Solimões.

 

No início da semana, seguiu o primeiro voo da Aeronáutica com ajuda aos ribeirinhos, e o próximo deve seguir na próxima semana.

Mais conteúdo sobre:
ambientesecarioSolimõesNegro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.