Schneider Electric fortalece apoio essencial à jornada ESG
Conteúdo Patrocinado

Schneider Electric fortalece apoio essencial à jornada ESG

Companhia amplia oferta de serviços de consultoria em sustentabilidade no Brasil

Schneider Electric, Estadão Blue Studio
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

03 de julho de 2022 | 00h01

Em sintonia com a crescente importância que o conceito ESG vem ganhando no mercado brasileiro, a Schneider Electric está ampliando a oferta de serviços de consultoria em sustentabilidade e gestão ambiental no País. Trata-se de uma especialidade global da companhia – que, fundada há quase 200 anos na França, é líder global em transformação digital e gerenciamento e automação de energia. 

Para apoiar outras empresas na jornada ESG, a Schneider Electric investe no fortalecimento da equipe de especialistas da unidade de negócios Sustainability Business no Brasil, responsável pelos serviços de consultoria e software em sustentabilidade, descarbonização e gestão de energia. A projeção é dobrar as operações no País até 2025, com foco nos principais setores da economia brasileira. 

Com centenas de clientes corporativos já conquistados, a área contribui para consolidar a Schneider Electric como referência no mercado brasileiro, assim como ocorre em vários outros países. A companhia acaba de ser incluída pela 11ª vez na lista Global 100, da consultoria Corporate Knights, que destaca as corporações mais sustentáveis do mundo. Em 2021, o Grupo ficou no primeiro lugar do ranking

“Com a ampliação da nossa equipe no Brasil, pretendemos ajudar ainda mais clientes a descarbonizar suas operações, contribuindo positivamente para os seus resultados financeiros ao mesmo tempo em que atuam com responsabilidade ambiental”, afirma Rafael Segrera, presidente para a América do Sul da Schneider Electric. 

Demanda crescente 

O executivo ressalta que a descarbonização da economia é uma tendência global que vem sendo incentivada tanto pelo setor privado quanto por políticas públicas. No ano passado, o Brasil se comprometeu a mitigar 50% de suas emissões de gases de efeito estufa (GEE) até 2030 – anúncio feito durante a Conferência do Clima (COP26) das Nações Unidas, em Glasgow, Escócia. 

Um recente estudo da SAP, “Sustentabilidade na Agenda de Lideranças da América Latina”, revelou que 69% dos executivos na liderança de médias e grandes empresas no Brasil, na Argentina, na Colômbia e no México já possuem uma estratégia de sustentabilidade. Isso representa um crescimento acima de 20% em relação ao ano passado. 

“Essa movimentação no mercado e na economia gera uma demanda crescente por consultoria. Ao contratar esses serviços, as empresas ganham expertise para traçar estratégias e para lidar com as exigências de investidores e consumidores”, ressalta Segrera.

 Transição para renováveis 

No ano passado, a Schneider Electric deu início ao programa Energize, que visa aumentar o acesso à energia renovável de

fornecedores do setor farmacêutico. Desenvolvido em conjunto com a Carnstone, o projeto já beneficiou dez empresas farmacêuticas globais – que, graças ao projeto, estão conseguindo reduzir suas emissões de escopo 3. 

Ainda no quesito fontes renováveis, a Schneider Electric possui uma parceria com o Walmart para incentivar a adoção da modalidade entre os fornecedores da rede varejista nos Estados Unidos. Recentemente, a empresa anunciou também uma parceria com a PepsiCo, para acelerar a adoção de energia renovável entre os parceiros da cadeia de valor. 

O principal objetivo das companhias parceiras da Schneider Electric é acelerar a transição para energias renováveis por meio de contratos de compra de energia (PPAs, na sigla em inglês) e outras opções de aquisição. “Temos uma das maiores consultorias de energia e sustentabilidade do mundo, com um diferencial importante em relação a muitos outros: não apenas criamos, mas também implementamos estratégias em nome de muitas das principais empresas do mundo”, observa Segrera. “Por isso sabemos o que realmente funciona e podemos conduzir uma implantação mais eficaz e orientada por resultados.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.