Satélites comprovam que Amazonas é o maior rio do mundo

As medições foram feitas a partir dos dados coletados por uma expedição de cientistas brasileiros eperuanos

EFE,

02 Julho 2008 | 19h16

Uma medição com imagens de satélite confirmou que o Amazonas é o rio mais extenso do mundo e que tem 140 quilômetros a mais que o Nilo, anunciou o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).   O estudo foi feito a partir de imagens dos satélites sino-brasileiros CBERS e do satélite americano Lansat.   Segundo a medição, o Amazonas não é apenas o rio mais caudaloso do mundo, mas também o mais extenso, com 6.992,06 quilômetros de extensão, acima dos 6.852,15 quilômetros do Nilo. As medições foram feitas a partir dos dados coletados por uma expedição realizada no ano passado por cientistas brasileiros eperuanos, para identificar a verdadeira cabeceira do rio Amazonas.   Os integrantes da 1ª Expedição Científica ao Nascimento do rio Amazonas, entre os quais cientistas do Instituto Geográfico Nacional (IGN) do Peru e do Inpe, viajaram, em maio do ano passado, ao nevado Mismi e a Carhuasanta e Apacheta, na Cordilheira dos Andes, em busca da nascente do Amazonas.      Após colocar marcos geodésicos nas quebradas que se presumiam que eram as nascentes do Amazonas e medir o caudal de cada uma, os expedicionários concluíram que a cabeceira do rio estava a mais de cinco mil metros acima do nível do mar e que a extensão do rio era maior que a do Nilo.      As medições apresentadas hoje pelo Inpe somaram, ao Amazonas, 230 quilômetros.

Mais conteúdo sobre:
amazonasinpenilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.