Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Salles reabre Parque Nacional da Tijuca exaltando medidas econômicas na pandemia

Antes do evento, Ministério do Meio Ambiente distribuiu regras necessárias para visitar o local, mas diretrizes não foram cumpridas nem mesmo pelo ministro titular da pasta

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2020 | 12h01

Com um discurso em que exaltou por diversas vezes o presidente Jair Bolsonaro, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, reabriu oficialmente o Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro, na manhã deste sábado, 15. A cerimônia ocorreu com uma celebração aos pés do Cristo Redentor. Durante sua fala, o titular do Meio Ambiente destacou mais os feitos econômicos do governo do que os da sua própria área.

"(Esta cerimônia) simboliza a reabertura do Brasil ao turismo, ao desenvolvimento, ao cuidado ambiental, a toda preocupação social que o presidente tem tido desde o início", declarou Salles, em evento restrito a convidados e autoridades.

"Não foi por outra razão que o presidente logo no início se preocupou em colocar o Ministério da Economia e todas as estruturas do governo federal para elaborar uma ajuda à população brasileira que certamente passaria, e vem passando, por grandes dificuldades", continuou.

Na sequência, em entrevista coletiva, Salles afirmou que "essa política de fechamento total trouxe consequências muito danosas para o nosso País", mas ressaltou que "o importante é olhar pra frente".

Regras

Antes da cerimônia de reabertura do Parque Nacional da Tijuca, a assessoria do Ministério do Meio Ambiente distribuiu um texto em que, entre outras coisas, apresentava as regras necessárias para visitar o parque em meio a este período de pandemia do novo coronavírus. Mas elas não foram cumpridas integralmente nem mesmo pelo ministro titular da pasta.

O texto diz que "é obrigatório o uso de máscara de proteção facial (ainda que artesanal) durante todo o período que estiver no interior do Parque', mas Ricardo Salles fez seu discurso sem o uso da proteção. Ele permaneceu sem a máscara depois disso e durante a entrevista coletiva realizada ao fim do evento, quando estava rodeado de autoridades e convidados. Salles, contudo, colocou a proteção quando cortou a fita que representava a reabertura do parque.

O texto distribuído pelo ministério também alerta para o 'respeito ao distanciamento mínimo de 2 metros, de modo a evitar aglomerações', o que também não foi observado durante toda a cerimônia.

O Cristo Redentor e outros pontos turísticos do Rio, como o Bondinho do Pão de Açúcar, a Rio Star (Roda Gigante) e o AquaRio reabrem conjuntamente na tarde deste sábado. Com quantidade limitada de acesso a visitantes, os locais terão descontos para moradores do Rio pelo menos até o fim do ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.