Ruralista prevê desmate até que código vire lei

Presidente de comissão da CNA argumenta que é direito desmatar até o porcentual definido pela nova legislação

Marta Salomon, O Estado de S. Paulo

08 Julho 2010 | 11h11

Uma corrida por autorizações de desmatamento pode ocorrer até que a reforma do Código Florestal, aprovada anteontem em comissão especial da Câmara, vire lei. A previsão não foi feita por ambientalistas, mas pela presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), senadora Kátia Abreu (DEM-TO), ao avaliar texto do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP).

 

Kátia aponta pressão pela abertura de novas áreas para agricultura e pecuária em Mato Grosso e no Tocantins. “É um direito legítimo querer desmatar dentro dos porcentuais permitidos da lei”, disse Assuero Veronez, presidente da comissão de meio ambiente da CNA. A proposta aprovada anteontem estabelece moratória no desmatamento durante cinco anos, a partir da publicação da lei. O texto prevê, porém, exceção para as autorizações de corte da vegetação nativa concedida ou protocolada até a datada publicação da lei. Antes de ir à sanção presidencial, o texto tem de passar pela Câmara e Senado.

 

Dona de terras em Tocantins, Kátia disse que recorrerá à Justiça pelo direito de não recuperar áreas desmatadas no Cerrado, região que só passou a ter reserva legal em 1989. O projeto aprovado prevê que vale o porcentual de reserva legal em vigor na época do desmatamento. Mas há dificuldade para os produtores provarem quando houve o corte.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.