Rj terá a 1ª fábrica de motos elétricas do País

Empresa de capital chinês vai investir R$ 20 milhões na unidade

Glauber Gonçalves, O Estado de S. Paulo

11 de agosto de 2010 | 12h25

A Kasinski, empresa brasileira comprada pelo grupo chinês Zongshen, vai investir R$ 20 milhões para construir a primeira fábrica de motos e bicicletas elétricas do País. A unidade, que ficará no Estado do Rio de Janeiro, começará a ser construída este ano, início da produção previsto para o primeiro semestre de 2011.

 A empresa projeta uma produção mensal média de 10 mil unidades de sete modelos de motos, scooters e bicicletas elétricas. Para atuar no segmento, o grupo criou uma nova empresa, a CR Zongshen E-Power. No mês passado, a Kasinski começou a produzir o primeiro modelo de scooter elétrico do País na sua unidade de Manaus, dedicada a veículos com motor a combustão.

 

Depois de inaugurada a fábrica fluminense, a empresa vai transferir para o Rio a fabricação do modelo. “Escolhemos o Rio pela posição geográfica estratégica, potencial consumidor e pelas oportunidades que serão geradas com a Copa e a Olimpíada”, afirma o presidente da Kasinski, Claudio Rosa Junior.

 

A companhia deve definir até o fim de agosto o município que receberá o investimento. “Fomos à Sapucaia e gostamos do que vimos”, declarou o executivo, sobre o município fluminense que faz divisa com Minas. Numa primeira etapa, a fábrica vai funcionar em um galpão pré-existente e, depois que a obra estiver concluída, as operações serão transferidas.

 Os produtos que sairão da futura unidade não são poluentes, uma vez que não queimam combustível para funcionar. O carregamento da bateria pode ser feito em uma tomada de 110 ou 220 volts e a autonomia média das motos é de 60 quilômetros, podendo variar de acordo com o peso do condutor e com as características do terreno.

 Limitação

 

Com a bateria totalmente carregada, não seria possível ir de São Paulo a Campinas, por exemplo. Essa limitação é um empecilho para o crescimento desse mercado, avalia Moacyr Alberto Paes, diretor executivo da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo).

 “A capacidade é restrita, mas tenho certeza de que, com a evolução da tecnologia, o mercado vai crescer, desde que o custo benefício seja interessante para o consumidor”, adverte.

 Para fisgar o consumidor, a estratégia da Kasinski é justamente começar a comercialização com preços próximos aos das motocicletas convencionais. “No início, vamos trabalhar com margens mais apertadas e oferecer preços competitivos”, informou Rosa Junior.

 Um dos veículos, uma scooter de dois mil watts, equivalente a uma convencional de 125 cilindradas, custará R$ 5.290. Já bicicleta elétrica sairá por R$ 1.490. O veículo será equipado com um motor e também pode ser operado por pedais.

 No primeiro ano, a expectativa é que a empresa alcance um faturamento de R$ 30 milhões. Na nova fábrica serão produzidos dois modelos de bicicleta, dois tipos de motos, além de três modelos de scooter.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
meio ambienteplanetaenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.