Risco de enchente é subestimado pelas pessoas, diz Allianz

As enchentes são as catástrofes naturais mais comuns do planeta e as empresas de seguros estão usando a ciência para prever melhor os seus riscos, mas ainda assim a maioria das pessoas subestima seu poder destrutivo, disse a empresa de seguros alemã Allianz em um estudo.

REUTERS

19 Outubro 2011 | 10h50

Mudança climática e causas provocadas pelo homem, como o aumento da agricultura e restrições de drenagem, provocaram 182 casos de enchentes grandes em 2010, disse a Allianz.

"Em 2010, as bases de dados de desastres internacionais EM-DAT contabilizaram cerca de 400 catástrofes naturais com pelo menos 100 pessoas afetadas ou 10 mortes", dizia o relatório de outubro.

Perto de metade dessas catástrofes foram enchentes, afetando 179 milhões de pessoas em todo o mundo.

Em janeiro, enchentes que devastaram o estado australiano de Queensland resultaram em 364 milhões de dólares em pedidos de seguro, segundo o Conselho de Seguros da Austrália.

"Áreas de drenagem natural estão sendo fechadas cada vez mais, por exemplo, devido à construção de estradas", disse Markus Stowasser, da Allianz SE Reinsurance. "Além disso, cada vez mais moradias são construídas perto de rios".

Os custos anuais de seguro por desastres naturais aumentaram de 5 bilhões de dólares para mais de 40 bilhões de dólares nos últimos 40 anos, diz o estudo.

"Simulações mostram que na Alemanha pedidos de seguro devem dobrar até o final deste século", afirmou a Allianz.

(Reportagem de Sarah Mortimer)

Mais conteúdo sobre:
CLIMAENCHENTES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.