Rios Tietê e Pinheiros têm tipos de poluição diferentes, mostra estudo

Concentração de matéria orgânica e variedade de resíduos alteram perfil de poluentes

Alexandre Gonçalves - O Estado de S. Paulo,

11 Fevereiro 2012 | 22h40

SÃO PAULO - Os Rios Tietê e Pinheiros possuem perfis de poluição distintos e mereceriam planos de despoluição que refletissem essas diferenças. É o que mostra a análise mais minuciosa já realizada até hoje sobre a qualidade dos dois cursos d’água que cortam a maior metrópole da América Latina.

O trabalho mostrou também que o principal problema para os dois rios não é a poluição difusa - que vem dos dejetos levados ao leito pela chuva, uma responsabilidade da Prefeitura -, mas o esgoto doméstico e industrial, cuja coleta, na maioria das cidades da Grande São Paulo, caberia à Sabesp, empresa mista que tem como principal acionista o governo estadual.

"A concentração de hidrocarbonetos na água (algo que pode ser creditado à omissão da Prefeitura) é ínfima quando comparada à presença de substâncias oriundas do esgoto (que deveria ser tratado pela Sabesp)", pondera o promotor e coautor do estudo, José Eduardo Lutti, do Ministério Público de São Paulo (MPE). Ao todo, 33 bairros ainda despejam parte do seu esgoto no Tietê.

Diferenças. O estudo, que rendeu a publicação de um artigo na última edição dos Anais da Academia Brasileira de Ciências, revelou seis substâncias que só foram encontradas nas águas do Pinheiros. Todas são compostos orgânicos. Duas delas atuam como pesticidas: o Aldrin-Dieldrin e o 4,4-DDD. Como o rio não atravessa áreas agrícolas, autores sugerem que tais produtos são usados nas margens para diminuir a infestação de mosquitos que infernizam vizinhos do curso d’água.

Outra exclusividade digna de nota no Pinheiros é o hexaclorobutadieno, um composto cancerígeno eliminado por fábricas que utilizam ácido clorídrico nos seus processos industriais.

Já o Tietê apresenta 11 substâncias que não foram encontradas no Pinheiros. "Mas o que mais surpreende é o impacto dos efluentes domésticos, maior no Tietê", afirma Davi Cunha, da Escola de Engenharia de São Carlos (USP), sublinhando as altas concentrações de detergente e nitrogênio amoniacal na água.

Precisão. A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) realiza medições bimestrais nos sete pontos de amostra dos rios na cidade de São Paulo. Nove variáveis - como turbidez e coliformes fecais - entram no cálculo do Índice de Qualidade das Águas (IQA) divulgado pelo órgão, responsável pela qualificação da água em péssima, ruim, regular, boa e ótima. A Cetesb investiga outras 32 variáveis que não integram o IQA.

Doron Grull, do Centro de Apoio à Faculdade de Saúde Pública da USP, afirma que análises mais minuciosas e transparentes seriam desejáveis. "A análise de mais variáveis e com uma frequência maior facilitaria a descoberta de infratores", afirma Grull. "Se você encontra uma substância relacionada a um processo industrial concreto, pode chegar às empresas suspeitas de eliminá-la na rede."

Ao Estado, a Cetesb respondeu que considera o método usado "suficiente para o monitoramento da qualidade das águas dos Rios Tietê e Pinheiros".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.