Representante do Brasil critica meta climática do G8

O G8 concordou na quarta-feira, em sua cúpula anual, em apoiar a meta de reduzir as emissões globais

REUTERS

09 Julho 2009 | 13h05

O negociador climático chefe do Brasil criticou na quinta-feira o G8 por não tomar medidas mais fortes para reduzir o aquecimento global, dizendo que as metas de longo prazo propostas não têm sentido.  

 

Veja também:

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

  O G8 concordou na quarta-feira, em sua cúpula anual, em apoiar a meta de reduzir as emissões globais de gases estufa em 50 por cento até 2050 e reduzir as emissões dos países ricos em 80 por cento.

"Sem uma meta intermediária muito clara, com um número, o número para o longo prazo não tem credibilidade", disse a jornalistas o negociador Luiz Alberto Figueiredo Machado, acrescentando que tal plano corre o risco de transmitir o ônus às gerações futuras.

Ele pediu que os países desenvolvidos reduzam suas emissões em até 40 por cento até 2020. E os países em desenvolvimento, como o Brasil, por sua vez, se comprometeriam a reduzir seu índice de crescimento, ele acrescentou.

"Os países em desenvolvimento concordam que, no médio prazo, haverá uma modificação significativa na curva (ascendente) das emissões. Ou seja, eles vão continuar a crescer, mas em ritmo muito menor", disse.

"E por que vão crescer? Imaginemos que o governo (brasileiro) leve a eletricidade à região rural. Isso vai significar que teremos mais um milhão de geladeiras, mais um milhão de rádios. Tudo isso implica em emissões."

(Redação de Phil Stewart)

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTEBRASILMETASG8*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.