Representante de consórcio para construção de Belo Monte diz que ninguém deixará de ser ouvido

O presidente da Sociedade de Propósito Específico do Consórcio Norte Energia - que venceu a licitação para a construção da Hidrelétrica de Belo Monte -,  Carlos Nascimento, garantiu hoje (26), durante a assinatura de concessão da usina, que ela será a única construída no Rio Xingu e que nenhuma compensação, tanto ambiental quanto para as comunidades locais, será deixada de fora.

Agência Brasil

26 de agosto de 2010 | 13h55

 

"A população e as comunidades podem confiar nas palavras e ações da Norte Energia para evitar impactos. Ninguém deixará de ser ouvido e de participar do processo de escolha das formas de indenização", afirmou.

 

Segundo Nascimento, nunca um empreendimento foi tão estudado. Os possíveis impactos causados pela obra foram tema de teses sobre os reflexos físicos, bióticos (relativo à vida ou aos seres vivos) e socioeconômicos. Segundo ele, a expectativa é de que a usina gere 18 mil empregos diretos, 23 mil agregados e beneficie pelo menos 54 mil pessoas, incluindo familiares.

 

O ministro de Minas e Energia, Marcio Zimermann, lembrou que a obra da Usina de Santo Antônio formou cerca de 30 mil jovens da região para uma profissão. "Isso para uma usina leiloada em 2007 e que ainda não está em operação". A Hidrelétrica de Santo Antônio deve entrar em operação no prazo de 30 meses.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
meio ambienteplanetaBelo Monte

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.