Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Relembre a crise das queimadas na Amazônia em 12 tuítes

Além de Bolsonaro e seus ministros, personalidades como Madonna e Gretchen se manifestaram sobre os incêndios florestais

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2019 | 09h39

SÃO PAULO - A situação de desmatamento e queimadas na Amazônia no último mês foi um tópico de destaque no Twitter. Além de manifestações do próprio presidente da República, Jair Bolsonaro (e de seus ministros), alguns artistas também subiram hashtags como #PrayForAmazonia e #desculpabrigitte.

Da demissão do presidente do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ricardo Galvão, ao clima tenso entre Bolsonaro e o presidente francês, Emmanuel Macron. Para saber tudo o que aconteceu, siga o fio:

1. No fim de julho, governo contestava os dados do Inpe sobre o desmatamento na Amazônia:

2 - A tensão entre o órgão e o governo resultou na exoneração do então presidente da entidade, Ricardo Galvão. A repercussão foi grande no mundo político:

3 - Países europeus começam a se manifestar em relação à situação da floresta: a Noruega promove um corte na verba que tem destinado ao fundo de proteção da Amazônia. No Twitter, Bolsonaro fala sobre a matança de baleias promovidas pela Noruega, mas usa um vídeo que nada tem a ver com aquele país:

4 - No dia 19 de agosto, o dia virou noite em São Paulo:

5 - Celebridades do mundo inteiro começam a tuitar sobre as queimadas na Amazônia (#prayForAmazonia). Mas muitas das imagens usadas eram antigas ou de outros lugares. Madonna, por exemplo, usou uma imagem de 1989:

6 - O presidente Jair Bolsonaro endossa um comentário ofensivo sobre a primeira-dama francesa, Brigitte Macron, no Facebook. O tom entre Bolsonaro e Macron sobe. O presidente francês também parte para o ataque. A tensão repercute no mundo político brasileiro:

7 - Sim, a cantora Gretchen foi uma das primeiras celebridades a pedir desculpas para a primeira-dama francesa:

8 - O escritor Paulo Coelho também se desculpou:

9 - Bolsonaro enxerga intenções colonialistas por trás da posição francesa no G-7:

10 - O ministro da Educação, Abraham Weintraub, é um dos mais sarcásticos ao criticar o presidente francês:

11 - A situação da Amazônia afeta a importação do couro brasileiro:

12 - Em meio às tensões do mês de agosto, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi parar no hospital:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.