Reino Unido assume meta financeira na COP e se compromete a doar US$ 2,9 bi

Dinheiro deverá ser destinado a países em desenvolvimento entre 2013 e 2015

Giovana Girardi, Enviada especial,

04 Dezembro 2012 | 13h42

DOHA - O Reino Unido anunciou nesta terça-feira, 4, o primeiro compromisso entre as nações ricas de prover um financiamento para medidas de adaptação de nações em desenvolvimento pelos próximos anos. A promessa é de distribuir 1,8 bilhão de libras (cerca de US$ 2,9 bilhões) entre 2013 e 2015.

O anúncio foi feito pelo secretário de Energia e Mudança Climática, Ed Davey, em coletiva de imprensa na Conferência do Clima da ONU, que acontece em Doha (Catar) até o final da semana. O Reino Unido está no grupo de países que se comprometeu em 2009, na COP de Copenhague, a fornecer, entre 2010 e 2012, US$ 30 bilhões em um fundo rápido, e mais US$ 100 bilhões até 2020.

Como esses US$ 100 bilhões vão ser distribuídos ao longo dos próximos oito anos é um dos grandes dilemas desta COP. Os países em desenvolvimento querem que se estabeleça aqui um mapa do caminho até lá e tem pedido uma meta intermediária - até 2015, por exemplo -, para que não se corra o risco de ficar tudo para 2020.

O G-77 (grupo dos países em desenvolvimento + China) sugeriu que fossem liberados US$ 60 bilhões até aquele ano. O documento resultante da primeira semana de negociações e que agora vai para os ministros, porém, não fala nada sobre 2013-2015.

Segundo Davey, a parte que cabia ao seu país nesta primeira fase - 1,5 bilhões de libras (cerca de US$ 2,9 bilhões) - será concluída até o final do ano e em janeiro começa a nova fase. Ele disse não acreditar, porém, que o mapa do caminho seja desenhado até o final da semana. "Mas é importante que ao menos os outros países mostrem que estão comprometidos em se manter ambiciosos em financiamento climático nos próximos anos, mesmo que eles estejam enfrentando momentos difíceis.

O anúncio rendeu ao país um prêmio das ONGs reunidas no evento. Em oposição ao famoso "fóssil do dia", distribuído aos países que mais contribuíram para bloquear as negocições, o Reino Unido ganhou o "raio do dia", por servir como exemplo. "Este anúncio dá um tom construtivo às negociações sobre financiamento aqui em Doha. Impelimos outros países desenvolvidos a começarem a colocar dinheiro na mesa e se comprometer com essa nova etapa."

A repórter viaja a convite da Convenção do Clima da ONU (UNFCCC).

Mais conteúdo sobre:
Mudanças climáticasCOP 18

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.