Mácio Ferreira/Agência Pará
Mácio Ferreira/Agência Pará

Refinaria Hydro Alunorte encerra atividades em Barcarena e Paragominas, no Pará

Temporariamente, a Hydro Alunorte fecha as portas das fábricas em Barcarena e Paragominas, no Pará

Roberta Paraense, Especial para O Estado

03 Outubro 2018 | 15h32

BELÉM - Após denúncias de descarte irregular de resíduos no meio ambiente em fevereiro deste ano, em Barcarena, na Região Metropolitana de Belém, a multinacional Norsk Hydro anunciou nesta quarta-feira, 3, o encerramento de 100% das atividades na refinaria Alunorte, que já estava operando com a metade da produção desde março. 

A decisão desencadeou a paralisação de sua mina de bauxita de Paragominas, que abastece a Alunorte, e pode ter consequências para a produção de alumínio na fábrica da Albras e em outras instalações da Hydro. Segundo a refinadora, o posicionamento foi tomado depois de ser verificado que a área de depósito de resíduos de bauxita 1 (DRS1) está quase no limite de sua capacidade total. 

A multinacional aponta como principal motivo o embargo feito pela Justiça que impede o uso do filtro de prensa - uma tecnologia de ponta e recentemente criada - na área de depósito de resíduos de bauxita (DRS2). 

O equipamento rendeu aos cofres da empresa o investimento de R$ 1 bilhão. Desde o embargo da Justiça, a Alunorte vem barganhando com as autoridades a permissão para utilizar o filtro, sem sucesso. Ainda conforme a empresa, diante da decisão, a Alunorte também foi forçada a operar somente o DRS1, que originalmente estava planejado para ser encerrado. 

 

TAC

A refinaria Alunorte assinou acordo em que se compromete a tomar medidas para avaliar e reduzir os impactos do lançamento de efluentes em fevereiro. O Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC) foi assinado em 5 de setembro, com os Ministérios Público Federal (MPF) e Estadual (MPPA) e Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas). 

O compromisso teve como objetivo garantir a imediata realização de ações para a avaliação dos impactos, atendimento emergencial às comunidades, segurança dos depósitos de resíduos sólidos, melhoria do processo produtivo, aprimoramento e execução do plano de ações emergenciais da empresa.  

 

Impactos sociais 

A norueguesa é a maior produtora do segmento no mundo. São produzidos 6,3 milhões de toneladas por ano do minério. A produção cairá gradativamente para zero com a paralisação. A retomada das atividades ainda não tem um período definido, porém, a empresa avalia a média de 30 a 40 dias para o final de processo de drenagem. O diretor Operacional da Hydro, Carlos Neves, diz que o choque será na cadeia mundial, com a redução no abastecimento de 50% para zero. 

O Sindicato dos Químicos de Barcarena avalia que as operações da empresa geram 30 mil postos de trabalho diretos e indiretos em toda cadeia paraense. "Estamos preocupados com essa paralisação, com os impactos que ela vai acarretar nos serviços, nos empregos e faturamento geral de toda região", diz Manuel Paiva, diretor da entidade. 

Na coletiva, a direção da Hydro informou que está trabalhando em colaboração com os sindicatos e entidades de classe para reduzir os impactos. "Vamos fazer o possível para reduzir as consequências do desemprego no Pará e em toda a cadeia", diz Neves. A decisão de paralisar as operações da Alunorte e da Mineração Paragominas afetará empregos diretos e indiretos em ambas as unidades.  

 

'Preocupante'

O prefeito de Barcarena, Antônio Carlos Vilaça define a paralisação das atividades da Hydro como muito preocupante. Para ele, a decisão terá enorme impacto para o município, uma vez que vai atingir milhares de trabalhadores que dependem do funcionamento da refinaria.

 "As dificuldades serão enormes, sem a operação da Hydro. Isso significará prejuízos para o município, afetando empregos diretos e indiretos em Barcarena, já que a mineradora agrega muitas empresas menores em seu entorno", declarou Vilaça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.