Recuperar florestas captura mais CO2 do que plantações de uma única espécie

Pesquisa australiana foi publicada no periódico Ecological Management & Restoration

Charles Nisz*,

06 de agosto de 2010 | 17h26

A absorção de CO2 é mais uma razão para recuperar - e preservar - matas nativas. Segundo estudo realizado na Austrália, o reflorestamento é mais eficiente que o plantio de uma única espécie para reter o dioxido de carbono na atmosfera. A pesquisa foi publicada no periódico Ecological Management & Restoration.

 

Essa descoberta confronta a visão tradicional sobre a eficiência da monocultura no plantio de árvores. Depois de testar três tipos de plantações no nordeste da Austrália - monocultura de coníferas nativas, plantações mistas e recuperar florestas tropicais originais com árvores diversas - os pesquisadores constataram algumas diferenças.

 

Florestas recuperadas eram mais densas, tinham árvores maiores e capturavam 106 toneladas de CO2 por hectare, contra apenas 62 toneladas armazenadas em plantações não-nativas. A pesquisa é importante, pois aparece num momento em que nações e empresas estudam maneiras de compensar emissões de gases-estufa com ações de preservação e reflorestamento.

 

Cientistas florestais alertam para o risco de haver disseminação de florestas de uma única espécie mundo afora. "Os investidores procuram a maneira mais barata de mitigar emissões" diz  John Kanowski, ecologista da Australian Wildlife Conservancy e um dos autores do estudo.

 

Plantações em monoculturas têm sido usadas para fins industriais e são fonte de recursos como madeira e borracha. No entanto, esse modelo é controverso, sendo chamado por alguns ecologistas de "deserto verde" por conta da perda da diversidade de espécies vegetais e animais.

 

 

* Charles Nisz é jornalista e escreve no blog Tablóide Verde.

Tudo o que sabemos sobre:
meio ambienteplanetareflorestamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.