Recadastramento na Amazônia deve revelar grileiros, diz Incra

Quem não apresentar a documentação no prazo perderá cadastro e não terá mais acesso a crédito

estadao.com.br,

19 de fevereiro de 2008 | 16h20

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, e o presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Rolf Hackbart, anunciaram as normas do recadastramento de imóveis rurais nos 36 municípios da Amazônia Legal que lideram as estatísticas do desmatamento na região. O prazo para a regularização das propriedades vai de 3 de março a 2 de abril.    Instrução normativa, primeira parte (Diário Oficial)  Instrução normativa, segunda parte (Diário Oficial)  Especial: desmatamento   Quem não entregar todos os documentos comprovando categoricamente, no prazo dado, como e de quem as fazendas foram compradas, o tamanho exato e as condições das propriedades terá automaticamente suspenso o Certificado de Cadastramento de Imóveis Rurais (CCIR).   Segundo o presidente do Incra, uma vez cancelado o CCIR, o proprietário deixa de ser titular das terra e não terá como conseguir acessar crédito. "A nossa expectativa é de que parte desses que não comparecerem ao Incra sejam os contumazes grileiros de terras públicas estaduais e federais. A ocupação ilegal de terras públicas é uma das grandes causas do desmatamento brasileiro", destacou Hackbart, segundo nota divulgada pelo Incra.   O anúncio oficial das normas ocorreu no Ministério do Desenvolvimento Agrário, em Brasília. Elas estão contidas em Instrução Normativa do Incra publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira, 19.  Os donos ou posseiros de áreas maiores que quatro módulos fiscais (um módulo representa 60 a 80 hectares, conforme o município) terão que levar ao Incra documentos que comprovem a titularidade ou posse pacífica da terra, plantas e memoriais descritivos com a correta localização geográfica dos imóveis rurais, estabelecida por meio de GPS. O Incra vai montar escritórios na Amazônia Legal para receber os documentos.

Tudo o que sabemos sobre:
amazôniadesmatamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.