Rascunho de acordo em Copenhague privilegia ricos

Texto não incluía compromissos financeiros para nações desenvolvidas

AE, Agencia Estado

09 Dezembro 2009 | 09h39

Um documento produzido pela Dinamarca e distribuído a um seleto grupo de diplomatas como um rascunho de declaração final levantou polêmica e expôs as intenções dos países industrializados na 15ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-15), ontem, em Copenhague. O texto previa metas para países em desenvolvimento e não incluía compromissos financeiros de longo prazo para nações desenvolvidas. O conteúdo foi considerado desfavorável para emergentes, como o Brasil.  

  

Veja também:

link China critica proposta de redução de gases poluentes da UE

linkSecretário da ONU defende emergentes em Copenhague

linkFundo do clima pode excluir Brasil

linkAs promessas e pressões que dominaram o 1º dia da COP 

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especialEntenda as negociações do novo acordo   

especialRumo à economia de baixo carbono  

O esboço escrito pelos dinamarqueses - com o apoio do Reino Unido e dos Estados Unidos - havia sido apresentado na semana passada durante negociações preparatórias. De acordo com o brasileiro Sérgio Serra, embaixador extraordinário para clima, o texto chegou a ser entregue a 10 ou 15 diplomatas, mas diante da reação negativa, foi retirado da mesa.

A inconformidade cresceu na segunda-feira, na abertura da cúpula. O conteúdo apareceu ontem no site do jornal inglês "The Guardian" e a polêmica explodiu. Identificado como Draft 271109 - Decision 1/CP.15, o documento de 13 páginas inclui adoção de um mecanismo de financiamento de curto prazo para ações de adaptação e de mitigação que vigoraria até 2013, mas não compromete países industrializados com financiamento até 2020.

Além de reduzir as obrigações dos países ricos, a proposta aumenta o peso sobre as nações em desenvolvimento. Fixa uma data - a ser negociada - para que as emissões de gases-estufa atinjam seu pico e cria metas de redução do desmatamento até 2020. Países emergentes como Brasil, China e Índia discordam e só se comprometem com medidas voluntárias. O texto também sugere que só nações "mais vulneráveis" seriam beneficiadas com repasses de recursos de países ricos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.