Arlesson Sicsu/Futura Press
Arlesson Sicsu/Futura Press

Queimadas fazem Manaus amanhecer encoberta por fumaça

Problema começou nesta quinta-feira, 1, e interrompeu aulas nas escolas; fato havia sido registrado em 2009

Luciana Dias, Especial para o Estado

02 Outubro 2015 | 11h18

Manual, capital do Amazonas, no Norte do País, amanheceu nesta sexta-feira, 2, encoberta por fumaça, pelo segundo dia consecutivo. Na quinta-feira, 1, a fumaça branca era tão intensa que alunos foram dispensados das aulas e motoristas e marinheiros tiveram dificuldades para trafegar.

De acordo com o pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), Antônio Ocimar Manzi, doutor em Física da Atmosfera e coordenador brasileiro do projeto teuto brasileiro Observatório da Torre Alta na Amazônia (ATTO), o problema está relacionado às queimadas no entorno de Manaus.

"Como à noite a superfície emite mais radiação do que recebe, a atmosfera se resfria de baixo para cima. Isto é, o ar mais frio e denso fica embaixo e o ar mais quente e menos denso, em cima. Esse processo cria uma camada de inversão térmica noturna que dificulta o transporte de ar, fumaça e poluição da superfície para a atmosfera mais alta", detalhou.

Segundo o especialista, nessas condições, a fumaça produzida nas queimadas fica presa na parte de baixo da atmosfera e o vento a transporta horizontalmente, levando para a cidade.

De acordo com o alerta do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), esse tipo de fenômeno deve acontecer novamente nos próximos dias. Há última vez que Manaus amanheceu com uma fumaça branca foi no dia 30 de setembro de 2009.

Histórico. Nesta quinta, por causa da fumaça, alunos da rede pública foram dispensados das aulas e motoristas tiveram problemas para trafegar. Na noite de quinta-feira, a fumaça voltou a tomar conta de toda a cidade com uma intensidade superior à registrada no período da manhã e eventos foram cancelados. Entre eles, a exibição de um espetáculo no Teatro Amazonas, no centro, por causa da fumaça que atingiu o sistema de refrigeração do local.


Mais conteúdo sobre:
Manaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.