REUTERS/Ricardo Moraes
REUTERS/Ricardo Moraes

Quase metade do desmatamento de florestas primárias em 2021 ocorreu no Brasil

País registrou 40% de toda a perda global em matas até então intocadas no planeta

Emilio Sant’Anna, O Estado de S.Paulo

28 de abril de 2022 | 05h00

O Brasil foi responsável por quase metade de todo o desmatamento de florestas tropicais até então intocadas no mundo em 2021. Nenhum país destruiu mais do que o 1,5 milhão de hectares que se perderam por aqui, de acordo com o Global Forest Watch (GFW). Na República Democrática do Congo, em segundo lugar nessa lista, a área derrubada (499 mil hectares) é quase um terço da devastação brasileira.

Dono de cerca de 30% desse tipo de vegetação de todo o mundo, chamada de florestas primárias (áreas livres da ação humana), o Brasil respondeu por 40% do desmatamento no ano passado. 

Essa constatação se torna ainda pior com o avanço das evidências que a Amazônia é cada vez menos resiliente e se aproxima de um ponto de inflexão, em que deixa de absorver o dióxido de carbono (CO2)  da atmosfera e passa a ser uma fonte de emissão do gás. Em regiões do sul e do sudeste da floresta esse temor já é realidade. O CO2 é o principal responsável pelo aumento do efeito estufa.

O GFW é uma plataforma global de monitoramento. Ela utiliza dados fornecidos pela Universidade de Maryland, com resolução de 30 metros, para acompanhar o avanço do desflorestamento. Por não sofrerem interferência humana, florestas primárias são ecossistemas mais complexos em relação a áreas replantadas.

“É uma perda extremamente significativa num contexto de crise hídrica e de sobrevivência da floresta”, diz Fabíola Zerbini, diretora de Florestas, Uso da Terra e Agricultura do WRI Brasil, entidade responsável pela iniciativa da plataforma.”Há compromissos que o País assumiu e que precisam ser cumpridos.”

Nem mesmo as reduções de focos de incêndio na Amazônia e no Pantanal foram capazes de reverter a tendência de crescimento na derrubada dessas matas. Entre 2000 e 2021, a destruição não relacionada ao fogo aumentou 9%. As causas mais comuns estão relacionadas à expansão agrícola.

Ao todo, 3,75 milhões de hectares de florestas tropicais primárias foram perdidas no mundo no ano passado. No Brasil, a perda supera 1 milhão de hectares por ano desde 2016. No entanto, há quem faça parte desse ranking e consiga apresentar avanços positivos, como a Indonésia, que pelo quinto ano consecutivo reduziu a área desmatada. No país asiático, a extração do óleo de palma é o principal fator de pressão sobre as matas primárias.

Procurados, Ministério do Meio Ambiente e Vice-Presidência da República, que assumiu papel central no combate ao desmatamento durante o atual governo, não responderam às solicitações.

Rússia tem florestas boreais ameaçadas

Apesar de se concentrar nos trópicos, que é onde ocorre 96% da derrubada permanente de florestas no mundo, o GFW também analisou florestas boreais e temperadas. O mapeamento identificou um aumento de 29% na perda florestal por fogo, especialmente na Sibéria. Nessa região da Rússia, as florestas vêm sendo fortemente ameaçadas pelos efeitos das mudanças climáticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.