PT e Centrão barram votação de projeto que acaba com sacolinhas de plástico

Não houve acordo nem votação, e o projeto saiu da pauta da Câmara

Diego Zanchetta e Afra Balazina, O Estado de S. Paulo

10 Novembro 2010 | 16h38

Foi adiada a votação, pela Câmara Municipal de São Paulo, do projeto de lei para proibir a distribuição de sacolas plásticas no comércio. A proposta do vereador Carlos Bezerra Jr. (PSDB) prevê a criação de um cronograma para os estabelecimentos comerciais se adequarem à norma, caso aprovada.

 

Não houve acordo nem votação, e o projeto saiu da pauta da Câmara. O vereador Bezerra disse, no plenário: "É inexplicável, estou pasmo com o que aconteceu aqui na Câmara".

 

A proposta dá às lojas pelo menos seis meses para passarem a respeitar a lei - caso dos shoppings e das redes com mais de 20 lojas. As redes com 10 a 19 lojas terão prazo de um ano para adaptação, enquanto as redes com menos de dez lojas terão dois anos. As feiras-livres ganharam prazo maior, de quatro anos, para começar a obedecer a legislação.

 

Se fosse aprovado, o projeto ainda teria de ser encaminhado ao prefeito Gilberto Kassab (DEM) para ser sancionado.

 

"A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente acha a iniciativa ótima, equilibrada e urgente", diz o secretário Eduardo Jorge.

 

A Associação Paulista de Supermercados (Apas) também avalia que a lei é viável e benéfica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.