Proteína alternativa vai do vegetal aos insetos
Conteúdo Estadão Blue Studio

Proteína alternativa vai do vegetal aos insetos

Grilo em barrinhas ou café com leite de aveia, as opções são cada vez maiores

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2022 | 06h00

Quando se fala de alimentos do futuro, é difícil não pensar em produtos alternativos, especialmente aqueles que propõem a substituição de proteína animal por outras de origem vegetal, os chamados alimentos plant based. Essa é apenas a ponta mais conhecida de um segmento que tem recebido cada vez mais atenção do público consumidor e de investidores: as foodtechs, que unem tecnologia à cadeia de produção de alimentos.

O último relatório sobre o tema divulgado no início do ano pela plataforma de inovação Distrito apontou que existem no Brasil 337 foodtechs em operação, sendo 38% delas voltadas ao desenvolvimento e comercialização de algum produto – as demais estão direcionadas aos serviços. 

As dedicadas ao plant based representam 24,7% do total das startups de produtos. Na categoria se encaixam proteínas ou laticínios extraídos de vegetais, como lentilha, trigo, tofu, ervilha, aveia, sementes, entre outros. Metade dessas ofertas é baseada em produtos naturais como snacks, refeições frescas e ou congeladas, cafés, molhos, ovos, comida infantil ou voltadas ao mercado pet.

A plant based é considerada pela Distrito como uma das subcategorias que fazem parte do grupo de “superfoods”. As outras são os produtos clean label (que trazem matérias-primas naturais, com redução ou eliminação de aditivos), alimentos e bebidas funcionais (que oferecem outros benefícios à saúde além da nutrição), suplementação alimentar (alternativas às vitaminas) e até alimentos à base de insetos.

Esta última tem entre seus representantes no Brasil a Hakkuna, que produz farinha e barrinhas de proteína com o processamento de grilos especialmente criados para esse fim. Pode parecer estranho para alguns, mas a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) tem um programa internacional de estudos sobre insetos comestíveis e defende o consumo para o reforço das dietas humanas. Afinal, várias espécies são ricas em proteínas, vitaminas e aminoácidos.

Leite vegetal

No campo das plant based, uma das novas empresas é a Nude, especializada em lácteos à base de aveia e fundada pelo casal Alexander e Giovanna Appel. Frequentadores de cafeterias quando moravam em Berlim, na Alemanha, os dois experimentaram a novidade ao provar um cappuccino e enxergaram a possibilidade de criar um produto semelhante no Brasil, que só tinha acesso a importados.

Giovanna conta que há uma clara vantagem do leite vegetal em termos de saudabilidade. O leite de vaca tem muita gordura saturada e açúcar da lactose em sua composição. Segundo ela, até mesmo o “mito” da oferta de presença maior de cálcio na opção animal é compensado na versão de aveia, com a adição desse mineral feito de algas – que tem melhor absorção pelo organismo. O produto é 100% livre de alergênicos – ótima notícia para quem sofre de alguma intolerância – e não tem glúten.

Em relação ao paladar, a cofundadora da Nude diz que nunca houve a preocupação de imitar o gosto do leite animal. O casal estudou composições de enzimas para atingir um padrão de sabor, textura e aspecto do produto final que fosse agradável. “O consumidor está sempre um passo à frente, temos que antecipar a saudabilidade”, afirma.

A Nude tem parceria com um moinho que recebe a matéria-prima de 250 produtores de orgânicos e não orgânicos e tem a garantia de rastreabilidade da aveia, desde a escolha da semente até a colheita e o armazenamento nos silos. Sobre melhorar o acesso ao produto – os preços são mais altos do que o do leite de origem animal –, Giovanna está otimista com a recente redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para as bebidas vegetais. 

Empreendimentos como o da Nude têm atraído cada vez mais o interesse de investidores, em especial dos fundos de venture capital. A gestora de impacto Vox liderou uma rodada de R$ 25 milhões em investimento para a foodtech por enxergar nela o nível de propósito buscado pelos seus sócios. “Estávamos estudando a tese da substituição de proteína animal”, explica Marcos Olmos, sócio da Vox Capital.

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Tudo o que sabemos sobre:
alimentaçãoagricultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.