Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Proposta do governo de controlar ONGs na Amazônia é criticada por deputados e ex-ministras

Parlamentares querem questionar o Planalto e acionar Ministério Público; ideia é discutida em conselho chefiado pelo vice Hamilton Mourão

Mateus Vargas, O Estado de S. Paulo

09 de novembro de 2020 | 19h28

BRASÍLIA - Parlamentares, entidades de defesa do meio ambiente e dos direitos humanos, além de ex-ministras do Meio Ambiente criticaram plano do governo Jair Bolsonaro de controlar a atuação de Organizações Não-Governamentais (ONGs). Revelada pelo Estadão, a proposta é discutida pelo Conselho Nacional da Amazônia Legal (CNAL), órgão comandado pelo vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB). A ideia do órgão é criar um "marco regulatório" para controle das entidades e só autorizar o funcionamento daquelas que atendam a "interesses nacionais". 

O deputado Alexandre Padilha (PT-SP) pediu nesta segunda-feira, 9, que a Câmara dos Deputados envie questionamentos aos ministérios da Casa Civil, Meio Ambiente e Justiça sobre a proposta. A ideia é descobrir se os órgãos foram consultados sobre o tema e se há estudos que embasam a tutela das organizações. O requerimento de informações precisa ser aprovado pela Mesa da Câmara.

O parlamentar ainda pede que a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) questione Mourão sobre o debate de controle das ONGs. "É gravíssimo que exista dentro do Poder Executivo Federal, em seu mais alto escalão, iniciativa para “'obter o controle de 100% das ONGs, que atuam na Região Amazônica, até 2022, a fim de autorizar somente aquelas que atendam os interesses nacionais”', diz o pedido protocolado pelo deputado.

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) afirma que também enviará questionamentos à Presidência da República, a ministérios do governo Jair Bolsonaro e ao Ministério Público Federal (MPF). Ele lembra que o Congresso já barrou tentativas da atual gestão de controle sobre as ONGs.

"O governo tenta impedir que se fale a verdade sobre o governo, como sobre a destruição do meio ambiente. Em vez de entender que as ONGs são colaboradoras, aponta como inimigas, porque fazem denúncias. Propor o controle é coerente com a visão do presidente, que é autoritário", disse Molon. 

Ex-ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira disse ao Estadão que tentar controlar ONGs é andar na "contramão do mundo". "Tudo isso tem cheiro de cloroquina climática e de um passado que nos envergonha. Inacreditável que ainda tenha gente que acredita que pode avançar em políticas públicas sem diálogo e compromisso com a sociedade", afirmou Teixeira. 

Nas redes sociais, ao comentar a reportagem, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva afirmou que o governo ataca quem protege a floresta. "Para esconder a gravidade do problema na região e se isentar das suas cumplicidades políticas e eleitorais, com os que incentivam e realizam a destruição da Amazônia." Já a Comissão Pró-Índio, também nas redes sociais, disse que a proposta é absurda e inconstitucional.

Os objetivos do conselho da Amazônia dividem-se em três principais eixos (preservação, proteção e desenvolvimento sustentável). Cada tópico é subdividido em objetivos mais pontuais, que têm metas e ações programadas. Na última semana, Mourão pediu para diversos ministérios indicarem especialistas para debater estes objetivos junto ao conselho. Além de um ofício assinado pelo general, a Vice-Presidência encaminhou a apresentação feita aos membros do conselho e tabelas com as descrições dos objetivos do grupo. Duas fontes do governo que acompanham as discussões confirmaram o envio dos documentos.

Questionado nesta segunda-feira sobre o assunto, Mourão disse desconhecer a proposta sobre as ONGs, apesar de ele mesmo ter assinado o comunicado convocando servidores de outras pastas para discutir o tema. As discussões do conselho sobre a Amazônia ocorrem no momento em que o Palácio do Planalto avalia se vai manter seu discurso ambiental com a vitória do democrata Joe Biden, nos Estados Unidos, e o País sofre desgaste no exterior por causa do desmatamento. Mourão promoveu viagem com diplomatas de dez países pela Amazônia na última semana. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.