Proposta brasileira não é consenso entre ONGs

Movimentos sociais temem que REDD seja salvo conduto para desmatamento

Karina Ninni, Especial para O Estado de S. Paulo

11 Dezembro 2009 | 00h01

A proposta de REDD levada pelo governo brasileiro para a Conferência do Clima de Copenhague está longe de ser consenso entre ONGs ambientalistas e movimentos sociais. Parte deles acredita que o mercado não é o espaço capaz de regular as relações de produção na floresta. Mas há um ponto em comum entre os que defendem e os que repudiam a adoção do mecanismo: a necessidade de acordos que obriguem os países do Norte, os grandes poluidores do planeta ao longo da história, a reconhecerem a sua dívida climática e a se comprometerem com a reparação.

 

Veja também:

linkPaís pode ganhar US$ 1,5 bi por ano salvando florestas

linkEstado que desmatou mais deve ganhar menos

linkFinanciamento 'verde' não avança

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento 

especialRumo à economia de baixo carbono  

 

Na avaliação do diretor de campanhas do Greenpeace no Brasil, Sérgio Leitão, a REDD tem um duplo problema. “Primeiro, não resolve a conta, pois o emissor que busca compensação vai continuar poluindo. Segundo, elimina a real discussão, que é a distribuição de recursos para o desenvolvimento de uma economia limpa.”

 

Parte do movimento ambientalista teme que a REDD seja um salvo conduto para poluidores. “Até os latifundiários da agricultura mecanizada no Brasil estão agora falando em compensação. É imoral”, diz Leitão. “É como se você tivesse de perder peso e contratasse alguém para fazer os exercícios.”

 

Para Leitão, há ainda uma questão de soberania. “O Brasil é soberano na hora de desmatar, mas fica passando o pires na hora de resolver o problema. O que pode acontecer é uma transferência brutal de responsabilidades, do Norte, poluidor histórico, para o Sul”, diz.

 

Em outubro, 50 instituições assinaram em Belém um documento repudiando a REDD como iniciativa de mercado. “As propostas de REDD em debate não diferenciam florestas nativas de monoculturas extensivas de árvores, e permitem aos atores econômicos – que historicamente destruíram os ecossistemas e expulsaram as populações que vivem neles – encontrarem nos mecanismos de valorização da floresta em pé maneiras de continuar a fortalecer seu poder econômico e político em detrimento dessas populações”, diz a Carta de Belém, assinada, entre outros, pela Federação de Órgãos para Assistência Social e Educacional (Fase) e a Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetagri).

 

“Não somos contra o mecanismo como tentativa de evitar o desmatamento. Somos contra a utilização compensatória pelo mercado”, diz Graça Costa, coordenadora da Fase Amazônia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.