Divulgação
Divulgação

Projetos ambientais para a Copa de 2014 já somam R$ 24 bilhões

Das 86 ações aprovadas, 12 estão vinculadas a obras nos estádios e 53 são de mobilidade urbana

Agência Brasil

28 Maio 2010 | 19h21

BRASÍLIA - Já existem 86 projetos ambientais aprovados em diversos níveis de governo como parte dos preparativos para a Copa do Mundo de 2014, com investimentos que somam R$ 24 bilhões. Doze estão vinculados a obras nos estádios das cidades-sede, 53 são de mobilidade urbana, 14 para aeroportos e sete para portos.

 

A informação é do coordenador da Câmara de Meio Ambiente da Copa, Cláudio Langone, que participou da Primeira Oficina de Licenciamento Ambiental dos Empreendimentos Prioritários para a Copa de 2014, que ocorreu em Brasília nesta sexta-feira, 28, e contou com a participação de representantes do governo federal, dos Estados e dos municípios.

 

Durante os debates, o representante do Amazonas, Emanuel Guerra, defendeu a tese de que os investimentos feitos pelos Estados e municípios em meio ambiente sejam recompensados com algum tipo de benefício fiscal, a exemplo das isenções de impostos concedidas pelo governo federal para a Federação Internacional de Futebol (Fifa), para empresas associadas e para gastos com material nas obras dos estádios.

 

Segundo Emanuel Guerra, esses custos são altos e não há previsão de reembolso pelo governo federal. "A minha proposta é que, em vez de essa conta ficar para o Estado ou o município, haja uma fórmula para que eles possam receber de volta esses recursos, que são muito grandes. Só o projeto ambiental do Amazonas para o novo estádio que será construído para a Copa, a Arena da Amazônia, vai custar R$ 6 milhões", afirma.

 

Na oficina, foram discutidos os procedimentos para licenciamento ambiental dos projetos que serão executados nas 12 cidades-sede do evento: Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Recife e Salvador.

 

O coordenador da Câmara de Meio Ambiente da Copa, Cláudio Langone, informou que a oficina vai produzir um documento com no máximo dez sugestões ao governo federal sobre as questões envolvendo licenciamento ambiental para a Copa.

 

Langone disse que o objetivo é evitar que eventuais divergências entre os responsáveis pelas obras e os órgãos de meio ambiente ou o Ministério Público acabem na Justiça e atrasem o cronograma determinado pela Fifa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.