Reprodução
Reprodução

Projeto lança campanha de financiamento coletivo para preservação de araras-azuis

Valores arrecadados serão usados para monitoramento, manejo e instalação de ninhos naturais e artificiais

O Estado de S. Paulo

26 Agosto 2015 | 15h57

O Brasil é o campeão em número de gêneros e espécies de araras. No total, o território brasileiro é lar de 13 espécies e as araras-azuis são quase uma exclusividade nacional, pois as espécies A. leari e Cyanopsitta spixii  só são encontradas aqui e a A. hyacinthinus tem a maior população no País e poucos registros no Paraguai e na Bolívia.  

Em dezembro do ano passado, o Ministério do Meio Ambiente retirou as araras-azuis da Lista da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção, mas elas ainda são citadas na lista vermelha das espécies ameaçadas da União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN, sigla de International Union for Conservation of Nature).  É por esse risco que  o Projeto Arara-Azul , do instituto de mesmo nome, lançou sua segunda campanha Adote um Ninho, uma ação coletiva que, por meio de arrecadações pela internet, consegue subsidiar estudos e monitoramento de ninhos no Pantanal. Em 2014, 45 ninhos foram apadrinhados por empresas e pessoas físicas.

O comportamento das araras-azuis no Pantanal Sul também motivou a campanha por doações. Em 95% das vezes, as aves fazem seus ninhos apenas nas árvores de manduvi. Como esse tipo de árvore sofre desgaste do tempo, existe a tendência à diminuição de ninhos naturais.  Assim, ações de conservação e preservação de plantas jovens estão em desenvolvimento. Para resolver a questão em curto espaço de tempo, cavidades artificiais estão sendo instaladas.  

Atualmente são monitorados de 120 a 150 ninhos por ano, em 450 mil hectares no Pantanal Sul, nas regiões de Aquidauana, Miranda, Rochedo, Rio Negro e Coxim. Ao todo estão cadastrados 599 ninhos, sendo 346 naturais e 253 artificiais. “Estamos muito felizes em fazer parte das conquistas obtidas por meio da conservação da arara azul no Pantanal, mas sabemos que os estudos não podem parar”, aponta a bióloga Neiva Guedes, professora e pesquisadora da Universidade Uniderp e presidente do Instituto Arara Azul.

Em 2015, o período de reprodução das araras-azuis já começou. Normalmente inicia-se no segundo semestre de cada ano e se estende até meados de março do ano seguinte. Como resultados dos trabalhos do último ciclo, na região de Miranda (Pantanal), por exemplo, dos 52 filhotes que nasceram,  65% sobreviveram até o último monitoramento, 4% foram predados, 4% foram encontrados mortos dentro do ninho e 26% desapareceram sem vestígios.

Como doar. A Campanha está arrecadando valores por meio de crowfunding, ou seja, pessoas que se interessam pela causa colaboram em uma espécie de vaquinha virtual em uma plataforma especial para ações do tipo. A campanha Adote um Ninho tem oito categorias de colaboração que vão desde R$ 15 até doações de R$ 10 mil.

Durante o período reprodutivo da espécie, o padrinho vai acompanhar as novidades do ninho além de poder escolher batizar sua ave ao nascimento. “Ao iniciar o processo de adoção, os padrinhos passam por um curso preparatório, no qual aprendem sobre o monitoramento dos ninhos naturais e artificiais e sobre o relatório periódico do comportamento e desenvolvimento dos filhotes afilhados”, complementa a diretora executiva do Instituto Arara Azul, Eliza Mense.

Admirador: destinando R$ 15, o doador receberá um certificado digital

Ajudante: colaborando com R$ 40, as recompensas são o certificado digital e um chaveiro do Instituto Arara Azul

Amigo: contribuindo com R$ 70, é possível obter o certificado digital e uma ecobag artesanal

Protetor: doando R$ 100, o benfeitor ganha certificado digital e camiseta do Instituto Arara Azul

Defensor: destinando R$ 150, as recompensas são o certificado digital, chaveiro artesanal de couro do Instituto Arara Azul e porta-cartão de couro do Pantanal

Guardião: contribuindo com R$ 500, o doador recebe certificado digital, chaveiro artesanal de couro do Instituto Arara Azul, porta-cartão de couro do Pantanal e camiseta do Instituto Arara Azul

Tutor: colaborando com R$ 1.000, o benfeitor leva certificado digital, chaveiro artesanal de couro do Instituto Arara Azul, porta-cartão de couro do Pantanal, camiseta do Instituto Arara Azul e o livro Joias Azuis no Céu do Pantanal

Padrinho: doando R$ 10 mil, você estará adotando um ninho

Mais conteúdo sobre:
Pantanal Arara-Azul Sustentabilidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.