Projeto de carbono indígena

Projeto de carbono indígena

Etnia pioneira na Amazônia quer usar dinheiro de projeto de Redd para financiar plano de desenvolvimento sustentável.

BBC Brasil, BBC

13 Abril 2010 | 06h15

Os Surui, que detêm a posse da reserva Sete de Setembro, na divisa entre Rondônia e Mato Grosso, querem ser pioneiros na elaboração de um projeto de redução de carbono para financiar o seu desenvolvimento de forma sustentável.

A etnia está elaborando um projeto de redução de emissão de carbono, através do qual quer receber recursos para manter a floresta de pé.

Os recursos serão aplicados em um plano de desenvolvimento sustentável que engloba os próximos 50 anos.

A reserva Sete de Setembro, homologada em 1983, tem uma área total de cerca de 248 mil hectares, dos quais 243 mil ainda estão preservados.

Não será o primeiro projeto de redução de emissões de carbono por desmatamento e degradação - mais conhecidos pela sigla Redd - no Brasil, mas os Surui querem que este seja o primeiro intimamente relacionado à sobrevivência de uma etnia indígena.

Os projetos de Redd são um dos principais mecanismos para incentivar a preservação de florestas após 2012, quando, espera-se, entre em vigor um acordo do clima para substituir o atual Protocolo de Kyoto, que expira nesta data.

O desmatamento responde por quase 20% das emissões globais de carbono e a maioria das emissões do Brasil.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.