EPITACIO PESSOA/ESTADAO
EPITACIO PESSOA/ESTADAO

Produtora norueguesa de salmão ameaça suspender compra de soja brasileira

Maior produtora mundial do pescado disse que cogita buscar novas fontes a menos que a situação na floresta melhore. 'É importante que nós e todos que compram bens do Brasil digam claramente que a floresta tropical deve ser preservada e a situação atual é inaceitável'

Reuters, O Estado de S.Paulo

28 de agosto de 2019 | 20h05

A maior produtora mundial de salmão, Mowi ASA (MOWI.OL), poderá parar de comprar soja brasileira para ser usada na sua produção se o País não coibir o desmatamento. O anúncio foi feito pela empresa norueguesa nesta quarta-feira, 28. As queimadas na floresta tropical brasileira aumentaram neste ano, enquanto as proteções ambientais foram cortadas, provocando uma reação internacional contra o presidente Jair Bolsonaro e a sua administração. 

"O tratamento dado à Amazônia é inaceitável. A Mowi terá que considerar a possibilidade de procurar outras fontes de matéria-prima a menos que a situação melhore", disse Catarina Martins, diretora de sustentabilidade  da empresa.

A companhia, que espera vender cerca de 430 mil toneladas de salmão neste ano, é também uma grande produtora de alimento para peixes. "As fontes da Mowi (de soja) vêm de fornecedores certificados, e podemos garantir que nossos fornecedores não estão ligados a desmatamento ou violações de direitos humanos", acrescentou Catarina.

"No entanto, é importante que nós e todos que compram bens do Brasil digam claramente que a floresta tropical deve ser preservada e a situação atual é inaceitável", apontou. 

Nesta quarta-feira, chegou a ser divulgado que marcas internacionais como Timberland, Kipling e Vans teriam intenção de suspender as compras de couro do Brasil. Mais tarde, o presidente do Centro das das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB), José Fernando Bello, negou que a suspensão vá ocorrer, diferentemente de carta assinada pelo próprio dirigente. A suspensão teria sido aventada por causa da repercussão internacional das queimadas na Amazônia e da possível associação dos incêndios com a atividade pecuária na região.  

A Noruega também está no centro da polêmica brasileira depois da suspensão da doação de recursos para o Fundo Amazônia, em razão das mudanças propostas pelo ministro Ricardo Salles. O ministro disse que o país explora petróleo no Ártico e caça baleia, atribuindo às atividades passivo ambiental que a descredenciaria como crítica à situação brasileira. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.