Primeiro Ministro húngaro diz que acidente pode ter sido causado por falha humana

‘Não temos nenhum sinal indicando que esse desastre possa ter causas naturais’, disse Viktor Orban

Reuters

05 Outubro 2010 | 15h45

A Hungria declarou estado de emergência em três partes do país nesta terça - um dia depois de uma torrente de lama vermelha tóxica ter vazado de um dique.  A lama é proveniente do refino de bauxita para produção de alumínio.

 

O resíduo foi derramado por três pequenas cidades na segunda-feira,  deopis de irromperem do reservatório de contenção na usina de Ajkai Timfoldgyar Zrt, de propriedade de MAL Zrt.

 

Nesta terça a Unidade de Desastres Naturais disse que quatro outras vilas foram afetadas e contabilizou as mortes em quatro. Seis pessoas estavam desaparecidas.

 

Outras sofreram de queimaduras e irritações nos olhos causadas pelo chumbo e outros elementos corrosivos presentes no barro. A inundação, estimada em 700 mil metros cúbicos, carregou carros e danificou pontes e casas, forçando a evacuação de cerca de 400 moradores.

 

"Declaramos estado de emergência em Veszprem, Gyor-Moson-Sopron e Vas,"afirmou a porta-voz

do governo, Anna Nagy. "O vazamento aconteceu no condado de Veszprem, mas a lama foi levada para as outras duas cidades."

 

O Primeiro Ministro Viktor Orban disse que o acidente pode ter sido causado por uma falha humana.

 

"Não temos informações a nosso dispor. Não temos nenhum sinal indicando que esse desastre possa ter causas naturais", disse Orban. "E se um desastre não tem causas naturais, então pode ser considerado como sendo causado por pessoas. Nós suspeitamos que este seja o caso."

 

Ele disse que os testes mostraram quenão havia ameaça de radiação. As pessoas em Kolontar, que fica perto do reservatório, estavam tentando recuperar seus bens, mas a polícia ainda não tinha liberado as casas para que os moradores voltassem.

"Minha banheira está cheia dessa lama... Quando o reservatório ruiu, fez um barulho horrível. Eu estava no meu jardim e subi as escadas correndo, em direção à varanda, mas a lama subia mais rápido do que eu", disse à Reuters o morador Ferenc Steszli, 60. Ele escapou subindo em uma mesa.

 

As fazendas ao redor da vila estavam inundadas e muitos animais morreram. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.