Sergio Castro / AE
Sergio Castro / AE

Presidente tcheco diz que fracasso de Copenhague seria 'êxito'

Vaclav Klaus é conhecido por suas críticas à 'ideologia ambiental', e seu ceticismo sobre o aquecimento global

Efe,

02 Dezembro 2009 | 16h04

O presidente da República Tcheca, Vaclav Klaus, disse nesta quarta-feira, 2, em Praga, que seria "um êxito" que a cúpula sobre a mudança climática em Copenhague fracassasse e não definisse nenhuma medida. Klaus fez esta declaração durante a visita a Praga do presidente grego, Carolos Papoulias, e foram o único ponto de desencontro entre os dois líderes.

 

Veja também:

linkGrandes emergentes são contra cortar emissões em 50%

link México pedirá a criação do 'Fundo Verde' em Copenhague

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento

especial Entenda as negociações do novo acordo

 

O presidente tcheco é conhecido por suas críticas ao que ele denomina de "ideologia ambiental", e seu ceticismo sobre as provas que atestam o aquecimento global, supostamente produzido pelo homem.

 

Seus argumentos estão no livro "Blue Planet in Green Shackles" (Planeta Azul em Algemas Verdes, em tradução livre), no qual defende que, com a mudança climática, são destruídos os valores liberais e se introduz um novo tipo de ideologia totalitária camuflada no ambientalismo.

 

As polêmicas posturas de Klaus ressoaram em 2007 na própria sede da ONU em Nova York, durante uma sessão sobre o aquecimento global, na qual denunciou o que considera o mito da mudança climática, devido à falta de provas conclusivas.

 

Semanas depois, o político conservador criticou também a concessão do Prêmio Nobel da Paz ao ex-vice-presidente americano Al Gore e ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) das Nações Unidas.

 

A cúpula de Copenhague é esperada pela comunidade internacional como um passo crucial para conseguir uma resposta global à ameaça da mudança climática causada pelas atividades humanas.

 

O objetivo principal é conseguir um documento vinculativo, sucessor do Protocolo de Kioto (1997), que comprometa ricos e pobres a contribuir para a redução das emissões poluentes, a fim de manter o aumento das temperaturas neste século abaixo dos 2 graus centígrados, um nível considerado perigoso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.