Sergio Castro/AE
Sergio Castro/AE

Presidente tcheco diz que acordo climático fere a liberdade

Em viagem no Brasil, Vaclav Klaus afirma que aquecimento global 'não é tão grande' e é usado como 'escapismo'

Efe,

26 Novembro 2009 | 13h41

O presidente da República Tcheca, Vaclav Klaus, advertiu em São Paulo sobre o perigo para a "liberdade" representado pela proposta de acordo que será discutida na Cúpula da ONU sobre a Mudança Climática que será realizado em Copenhague no mês que vem.

 

Veja também:

linkLula discute proposta climática comum com países da Amazônia

linkChina irá a Copenhague e levará meta de redução de emissões

linkEmissão do Brasil cresceu 62% entre 1990 e 2005

linkEUA vão propor corte de 17% em suas emissões

especial Entenda as negociações do novo acordo 

 

"Devo dizer que sou 100% contra o acordo de Copenhague. Não devemos concordar com um acordo que nos diga como viver, o que fazer, como nos comportar, o que consumir, o que comer ou como viajar", disse Klaus durante um evento na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).

 

"O que precisamos é de cooperação, flexibilidade, avanço técnico e mercados livres. Em outras palavras, o que precisamos é de liberdade, e temo que isso esteja em perigo em Copenhague", afirmou.

 

O presidente tcheco também disse que não concorda com a proposta brasileira para Copenhague, que exige maiores compromissos dos países desenvolvidos.

 

Klaus lembrou que suas opiniões estão no livro "Blue Planet in Green Shackles", no qual reitera que o aquecimento global "não é tão grande" e é usado politicamente como um "escapismo".

 

Na terça-feira, 24, o chefe de Estado tcheco foi recebido em Brasília pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante sua passagem pelo Brasil, que termina sexta-feira, Klaus visitará também os estados de Amazonas e Pernambuco, onde se reunirá com autoridades locais e empresários que participarão de seminários com uma delegação de 30 executivos tchecos.

Mais conteúdo sobre:
Republica TchecaclimaCopenhague

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.