Kay Nietfeld/AP - 12/12/2009
Kay Nietfeld/AP - 12/12/2009

Presidente da COP-15 vê 'muitos obstáculos' nas negociações

Connie Hedegaard diz que os próximos dois dias de cúpula 'serão críticos' para o alcance de um acordo

Efe,

15 Dezembro 2009 | 11h25

A presidente da Cúpula das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP15), a dinamarquesa Connie Hedegaard, admitiu nesta terça-feira, 15, que "ainda há muitos obstáculos" nas negociações, que têm o objetivo de determinar um novo acordo para a redução de emissões poluentes.

 

Depois que nesta segunda-feira as negociações foram interrompidas pelo bloco africano, que se mostrou insatisfeito sobre a atitude dos países ricos, Hedegaard disse que as próximas 48 horas "serão críticas" para que a reunião de Copenhague "tenha êxito".

 

O secretário-executivo da cúpula, Yvo de Boer, reconheceu que "leva tempo" colocar de acordo 192 países, que incluem ilhas do Pacífico "que podem desaparecer se o nível do mar subir", produtores petrolíferos "que temem por sua economia", nações ricas "que não querem perder emprego" e emergentes "que querem erradicar a pobreza".

 

Hedegaard rebateu as críticas feitas por alguns países em desenvolvimento que acusaram a Presidência de fomentar processos de discussão "antidemocráticos" e "pouco transparentes" por dirigir as negociações com um grupo de 50 ministros do Meio Ambiente.

VEJA TAMBÉM:
Novo esboço de acordo climático não cita metas de emissão
Lula antecipa ida a COP-15 e viaja nesta terça
Ban pede fim da troca de acusações no COP-15
Blog da COP: o dia a dia na cúpula
Glossário sobre o aquecimento global
Entenda as negociações do novo acordo

 

Insistiu em que os ministros, reunidos em Copenhague desde o fim de semana, são um "grupo representativo" do conjunto das 192 delegações, incluído os países não-alinhados, as ilhas do Pacífico e o grupo das nações menos desenvolvidas.

 

Hedegaard disse também que os dois grupos de trabalho da cúpula têm até a noite de hoje para redigir minutas de acordo, que serão debatidas na sessão plenária de amanhã.

 

Aludiu também às críticas dos países menos desenvolvidos, que acusam as nações ricas de quererem "matar" o Protocolo de Kioto - que obriga essas últimas a fixar objetivos vinculativos sobre redução de emissões -, em virtude de um novo acordo que inclua os emergentes e os Estados Unidos, que não assinou o documento.

 

A presidente da COP15 elogiou o trabalho desenvolvido pelos ministros como "um bom passo adiante" no processo de diálogo e acrescentou que a atitude taxativa mostrada por muitas delegações dos países em desenvolvimento diante da imprensa "não corresponde com o espírito que reina" nas negociações. "Vimos progressos significativos nos últimos dias, mas não é suficiente. Fica ainda um enorme terreno a cobrir se quisermos alcançar um acordo ambicioso", apontou De Boer, que pediu às delegações "ideias inovadoras" que levem a um consenso.

 

De Boer assumiu a responsabilidade pelo caos na organização que a cúpula vive desde ontem, após a chegada das delegações ministeriais. A ONU credenciou 46 mil pessoas para ter acesso ao Bella Center, sede da conferência, que tem capacidade de abrigar apenas 15 mil por motivos de segurança.

Mais conteúdo sobre:
Copenhague COP cupula ONU Connie Hedegaard

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.