Presidente da Câmara quer iniciar discussão sobre o Código Florestal

Intenção é votar o projeto nesta quarta-feira (4)

Denise Madueño,

03 Maio 2011 | 15h39

Brasília, 3 - O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), pretende começar a discussão do projeto que muda o Código Florestal em sessão desta terça-feira, 3, para poder votar a proposta amanhã no plenário. Essa será a sugestão que Maia irá apresentar aos líderes partidários em reunião nesta tarde. "Vamos dialogar e dar condições para que o código seja votado", disse. Nesse procedimento sugerido por Maia, o relator, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), apresentaria o seu relatório no plenário para, em seguida, ser iniciado o debate. O prazo para a apresentação de emendas ao texto do relator ficaria aberto até esta quarta-feira, no momento da votação.

Veja também:

documento Íntegra da proposta do Novo Código Florestal

video Contexto histórico do Código

link ''A reforma da lei ambiental foi preparada por leigos, visando o lucro''

link Relator do novo Código Florestal flexibiliza recuperação de mata nativa 

 forum Aldo Rebelo:Código Florestal, o equilíbrio possível

som PLANETA ESTADÃO destaca os entraves no polêmico Código Florestal

lista A polêmica atualização do Código Florestal do Brasil

Marco Maia negou que o governo pretenda atrasar a votação do projeto. Ele conversou no início da tarde com o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, e disse que não houve pedidos de adiamento. "O ministro disse que ainda há pontos a serem ajustados para que o texto fique equilibrado. Ele não disse vote ou deixe de votar", afirmou Maia.

O presidente da Câmara considerou positivo o fato de o texto do relator não ter agradado completamente todos os setores: ruralistas e ambientalistas. "É uma coisa boa. Significa que ele não privilegiou nem defendeu um setor específico. Temos de nos dar conta de que um projeto dessa envergadura não terá consenso absoluto", disse.

Mais conteúdo sobre:
Código Florestal

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.