Prêmio Nobel da Paz pediu a países que ignorem a postura americana.

Prêmio Nobel da Paz pediu a países que ignorem a postura americana.

Eric Brücher Camara, BBC

13 de dezembro de 2007 | 14h15

"O meu próprio país é responsável por obstruir o processo aqui em Bali", disse Gore, arrancando aplausos da platéia que lotou o auditório do centro de convenções onde acontece a reunião. O Prêmio Nobel da Paz disse que falava "como pessoa, pai, avô e cidadão americano" e pediu que os países presentes avançassem rumo a um acordo independentemente da postura americana."Eu não sei como vocês poderão contornar este enorme elefante na sala, que eu não fui diplomático o suficiente para deixar de identificar pelo nome. Mas estou pedindo a vocês que o façam."Em suas críticas, Gore se referiu à insistência da delegação americana em não aceitar a inclusão das metas recomendadas pelo Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) de redução de emissões de gases poluentes.Nesta quinta-feira, penúltimo dia do encontro em Bali, as discussões pareceram ter chegado a um impasse. A União Européia insiste na necessidade de inclusão dessas metas, enquanto os americanos querem retirá-las do texto.Para os Estados Unidos, a inclusão teria uma influência negativa nas discussões sobre o acordo para substituir o Protocolo de Kyoto, que vence em 2012.Os americanos têm o apoio do Canadá, do Japão e, possivelmente, da Austrália, que ainda não esclareceu a posição oficial sobre a questão.No seu discurso de mais de uma hora, recheado de citações literárias, Gore disse ainda que aqueles que o aplaudiram quando ele citou a atuação dos Estados Unidos tinham duas escolhas.A primeira seria ventilar a raiva e frustração contra os americanos e deixar o processo estagnado. A segunda seria seguir adiante e deixar uma "grande lacuna" para ser preenchida pelos Estados Unidos daqui a dois anos - quando o país terá um novo presidente.A expectativa é de que se chegue a um acordo que possa substituir o Protocolo de Kyoto até 2009. Ambicioso, Gore pediu que o futuro novo acordo entrasse em vigor já em 2010."Não podemos esperar cinco anos. Os cientistas dizem que, em dez anos, mudanças drásticas podem acontecer no planeta. Não podemos esperar metade deste tempo", disse.Os participantes da reunião em Bali esperam que o encontro produza um documento apelidado de "mapa do caminho", que deve orientar as discussões sobre o substituto de Kyoto nos próximos anos.O documento não terá o objetivo de ser um rascunho de um protocolo, mas apenas uma espécie de roteiro com os temas que precisam ser incluídos no futuro acordo sobre o clima.Entre as questões que mais causaram polêmica nas quase duas semanas da reunião em Bali estão ainda a transferência de tecnologia e a redução das emissões por desmatamento.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.