Premiê britânico discutirá vazamento com Obama

Cameron está preocupado com discurso anti-britânico usado nas críticas à BP

estadao.com.br

11 Junho 2010 | 17h29

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, vai discutir com o presidente americano, Barack Obama, o vazamento de petróleo da BP no Golfo do México. O assunto será tratado em um telefonema entre os dois neste fim de semana, informou o governo britânico nesta sexta-feira. O governo de Cameron está preocupado com a retórica anti-britânica usada por Obama e outros políticos à BP, que tem sede em Londres.

 

Até 1998, a BP era a British Petroleum, uma companhia exclusivamente britânica. No ano seguinte, porém, houve a fusão da BP com a empresa americana Amoco, tornando a petrolífera uma multinacional

 

O prefeito de Londres, Boris Johnson, disse que os comentários são "ligeiramente preocupantes" e o apresentador de TV britânico Piers Morgan disse que Obama parece estar numa "absoluta caça às bruxas" contra a BP. "Sabe, acidentes acontecem", disse Morgan na quinta.

 

"Existem outros assuntos mais importantes em termos de segurança nessa tragédia ambiental, mas eu acho que simplesmente pedir a cabeça do sujeito em recompensa quando ele está tentando resolver o problema não é uma política sensível. Se eu fosse Obama, pegaria leve na retórica. Não faria disso um assunto britânico, porque a BP não é mais uma empresa britânica e, sim, internacional."

 

Johnson disse que muitos fundos de pensão britânicos dependem da BP e poderiam correr riscos se os preços da companhia despencassem. "Eu realmente acho que isso começa a se tornar uma questão de interesse nacional se uma empresa britânica passa a ser continuamente massacrada internacionalmente", disse, acrescentando que se trata de um acidente que a empresa está tentando consertar.

 

Recentemente Obama declarou que está discutindo com especialistas sobre o vazamento de óleo para saber "as orelhas de quem deve puxar".

 

O representante americano no Comitê de Energia e Comércio sugeriu que a BP está mentindo sobre o vazamento. "Aqui vai um guia para as conferências de imprensa da BP: Sempre que você ouvir alguém com um sotaque britânico falando sobre isso em nome da British Petroleum, essa pessoa não estará dizendo a verdade."

 

O porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, P. J. Crowley, negou na quinta-feira que Obama ou os Estados Unidos estejam tentando atingir os britânicos e disse que esse provavelmente seria um dos tópicos discutidos ao telefone entre Cameron e Obama. "Os britânicos entendem a frustração e a raiva que os americanos enxergam no acidente", disse. "Isso não vai afetar as relações entre os Estados Unidos e o Reino Unido."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.