Prefeitura de São Sebastião avalia sanções à Petrobrás

Segundo prefeito, a empresa está apurando as causas do vazamento de óleo

Reginaldo Pupo, O Estado de S. Paulo,

07 Abril 2013 | 17h59

SÃO SEBASTIÃO - O prefeito de São Sebastião, Ernane Primazzi, e o secretário municipal do Meio Ambiente, Eduardo Hipolito do Rego, estão estudando quais medidas irão aplicar à Petrobrás por conta do vazamento. Segundo Primazzi, a empresa já admite trabalha com a possibilidade de ter havido falha humana durante procedimentos de operação no píer. "A Petrobrás ainda está apurando as causas do acidente e tudo indica que foi falha humana".

"Todo mundo quer dividir os royalties do petróleo que São Sebastião recebe justamente como compensação financeira para ser utilizada em casos como este. Mas ninguém quer dividir o problema, como o vazamento de petróleo", criticou o prefeito, que é contra a partilha dos royalties para todos os municípios brasileiros.

Além das multas que a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) deverá aplicar à Petrobrás, Rego explica que também haverá aplicação de sanções no âmbito municipal. "Realizaremos diferentes autuações por praia atingida. Vamos avaliar quais tipos de danos ambientais o vazamento causou nas praias, vegetações e encostas".

Segundo Eduardo Hipólito, o óleo causou danos em fazendas de criação de pescados, em redes de pescas e embarcações de pescadores artesanais. "O óleo atingiu entre 15km a 20km lineares de mar e além das praias, houve dano ambiental nos costões rochosos, que levarão muito tempo para serem limpos". Ainda segundo o secretário, toda a limpeza deverá ser concluída em 30 dias. Primazzi destacou que a limpeza dos costões é mais demorada devido à sensibilidade do ecossistema local. "É necessária fazer uma lavagem, que tem que ser cuidadosa para não afetar o seu entorno".

Em nota, a Cetesb declarou que levará ao menos mais três dias para avaliar os danos e, a partir das informações colhidas, aplicar as multas. O delegado da Capitania dos Portos em São Sebastião declarou que a Marinha do Brasil irá instaurar um inquérito para investigar as causas do acidente.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.