Prefeito de Mariana pede auxílio da Unesco para reconstrução da cidade

Duarte Júnior foi a Paris para participar de eventos paralelos a Cop-21 e quer a cidade mineira menos dependente da mineração

Andrei Netto, Correspondente / Paris

03 Dezembro 2015 | 19h13

PARIS - Um mês depois da tragédia ambiental na cidade de Mariana, em Minas Gerais, o prefeito do município, Duarte Júnior (PPS), pediu nesta quinta-feira, 3, em Paris, apoio da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e a outras entidades da comunidade internacional para que auxiliem na reconstrução da cidade e de sua imagem. Discursando em um evento paralelo à 21ª Conferência do Clima (COP21) das Nações Unidas, Duarte Júnior prometeu ainda diversificar a economia da cidade, até aqui dependente da mineração.

O evento aconteceu na embaixada do Brasil em Paris, na véspera de um encontro de prefeitos de todo o mundo implicado no combate às mudanças climáticas. O prefeito afirmou que pretende candidatar Mariana a Patrimônio Histórico da Humanidade da Unesco. O título, entende Duarte Júnior, ajudaria o município em sua reconstrução, incrementando o turismo e diversificando a economia da cidade. 

O prefeito entende que é hora de reduzir a dependência econômica do município, que até agora tinha como maior fonte de recursos os impostos arrecadados a partir dos trabalhos de mineração da Samarco, responsável pela barragem que se rompeu, causando o maior desastre ambiental da história do Brasil, deixando 11 mortos e 8 pessoas desaparecidas. "Mais de 80% da nossa arrecadação vem da mineração", lembrou o prefeito. "Não sou contra a mineração, nem quero fechar a mineração", explicou. "Mas temos de entender que a mineração é um parceiro que em determinado momento vai terminar, porque é finito."    

Mineração. De acordo com o prefeito, chegou o momento de usar o desastre ambiental para projetar o futuro da cidade sem a mineração. "Temos de nos preparar para deixarmos de ser tão dependentes", alegou. É isso que justifica sua presença em Paris, diz Duarte Júnior, já que uma reunião de executivos municipais coordenada pela prefeita de Paris, Anne Hidalgo, acontece hoje na sede do governo da capital francesa.

Em entrevista à Radio France Internationale (RFI), o prefeito brasileiro elogiou a Samarco por sua atuação no passado, em projetos de tratamento de água e na construção de escolas, por exemplo. Mas, segundo o prefeito, não se pode fechar os olhos a uma tragédia que poderia ter sido ainda mais devastadora. “Quando se fala de vidas, não se pode errar. Se tivesse ocorrido à noite, teríamos perdido 600 pessoas”, afirmou, referindo-se ao rompimento da barragem.

Embora não tenha nenhuma relação direta com mudanças climáticas, foco central das discussões da COP21, em Paris, o desastre de Mariana foi um dos temas abordados pela presidente Dilma Rousseff em seu discurso na abertura da conferência, na última segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.