'Precisamos de uma sensação de urgência'

Ecólogo canadense William Rees critica a lentidão na mudança de comportamento para um modelo de desenvolvimento sustentável

Giovana Girardi,

27 Junho 2012 | 06h00

 A ideia de que a humanidade consome os recursos naturais mais rapidamente que a capacidade que o planeta tem de se regenerar – a chamada pegada ecológica – nascia há 20 anos em artigo do ecólogo canadense William Rees. Anos depois, seu aluno suíço Mathis Wackernagel desenvolveu a metodologia para medi-la e desde então a ferramenta se tornou o mais conhecido indicador de sustentabilidade. Nesta entrevista, Rees critica a lentidão na mudança de comportamento para um modelo de desenvolvimento sustentável.

Como surgiu a ideia de medir a pegada ecológica?

Desde criança eu era muito sensível ao fato de estar conectado com a terra. Nos anos 1970, comecei a me interessar pelo conceito de capacidade de suporte (o tamanho máximo que uma população pode ter para que o ambiente possa sustentá-la indefinidamente). Estava no começo do movimento ambientalista. Publiquei um paper sobre quanto a minha região, no Canadá, poderia sustentar, mas um economista me disse que se eu continuasse fazendo aquele trabalho, minha carreira acadêmica seria curta. Por causa de tecnologia, comércio, engenhosidade humana, imaginava-se que poderíamos crescer para sempre. Anos depois vi que a pergunta não era quanto uma região poderia suportar, mas quanta superfície da Terra é necessária para suportar esta população. Não importa onde ela está. Por exemplo, a Holanda.

 

A população acha que vive na Holanda, mas eles excedem sua capacidade de suporte do país. Ele não teria como suportar um décimo da população na sua própria terra. É assim que medimos a pegada ecológica. Significa que o crescimento em um lugar requer recursos importados. As grandes cidades funcionam como drenos do que é produzido no campo. Mas as pessoas nas cidades não estão conscientes dessa ligação ou que seus padrões de consumo estão esgotando a terra de alguém ou o estoque de peixes de outro. A análise da pegada ecológica procura mostrar as consequências físicas e biológicas do modelo de crescimento. O mundo está além do seu limite. Usamos mais peixes, mais florestas, mais solos do que o planeta consegue suprir.

O conceito da pegada ecológica tem os mesmos 20 anos da Eco-92, que também buscou essa conscientização. Por que a mudança ainda não ocorreu?

Mudanças sociais sem revolução, sem catástrofe, são um processo muito lento. A esperança é que vamos aumentando a consciência das pessoas ao ponto que faça diferença para a mudança política. Até agora não fez. Precisamos de uma forte sensação de urgência. Mas como espécie, não queremos considerar a redistribuição da riqueza para resolver a pobreza. Porque isso significaria dividir, ter impostos justos, o mundo corporativo contribuir mais com a sociedade. No modelo corrente, favorecemos a ganância, o individualismo, perdemos o senso de comunidade e a compaixão. É muito difícil persuadir as pessoas que a coisa mais importante é cooperar pelos interesses mútuos em vez de competir para crescer mais que o outro.

Qual é o desafio?

Para que os países mais pobres possam crescer para um padrão razoável, os ricos deveriam retrair em seus níveis de consumo de energia e materiais. Temos de convergir para um estilo de vida sustentável, adequando todo mundo. Um mecanismo para isso acontecer é mexer nos preços. Até hoje não pagamos o real custo de produzir coisa alguma. Por exemplo, no Canadá eu pago por US$ 1,35 por um litro de gasolina, mas o preço verdade deve ser 5 ou 6 dólares. Se fosse assim, provavelmente eu usaria muito menos gasolina. E se custasse tudo isso, a economia iria responder. Teríamos de ter carros três vezes mais eficientes. Haveria um grande reajuste em toda a economia para reduzir consumo sem prejudicar o estilo de vida. Esta é a forma fácil de fazer.

 

Isso está longe der ser fácil.

Bom, é mais fácil que lidar com uma catástrofe, com as mudanças climáticas. Mas somos uma espécie que vive iludida ao pensar que preços baixos são sempre bons. Eles não são.

Mais conteúdo sobre:
Rio-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.