Porto Rico se prepara para tempestade tropical Irene

A tempestade tropical Irene se dirigia em direção a Porto Rico no domingo, à medida que se movimentava rumo a oeste, pelo Caribe, e parecia ser uma ameaça para a Flórida.

REUTERS

21 Agosto 2011 | 17h19

Irene, a nona tempestade a ser nomeada na temporada de furacões do Atlântico de 2011, deve passar perto ou sobre Porto Rico durante a noite e se fortalecer, transformando-se em um furacão, até segunda-feira, enquanto se aproximava da República Dominicana.

Seria o primeiro furacão da agitada, porém não destruidora temporada de furacões do Atlântico.

Às 15h de Brasília, Irene tinha ventos de 85 quilômetros por hora e estava a cerca de 300 km ao sudoeste de Ponce, em Porto Rico. Ela estava perto das Ilhas Virgens dos EUA e se movendo em direção ao nordeste caribenho, segundo informações do Centro Nacional de Furacões, baseado nos EUA.

A tempestade chegou às Ilhas Leeward com fortes chuvas no domingo.

Alertas e avisos de furacão foram emitidos nas Ilhas Virgens, Porto Rico e República Dominicana. Avisos de tempestades tropicais entraram em vigor nas Ilhas Virgens e no Haiti.

Porto Rico suspendeu uma proibição de abertura do comércio nas manhãs de domingo, permitindo que as lojas abrissem e que a população pudesse estocar alimentos enlatados, água e outras necessidades. Os preços foram congelados e a venda de álcool foi proibida, até que a tempestade passe.

O secretário de Estado de Porto Rico, Kenneth McClintock, disse que as escolas e repartições públicas ficarão fechadas na segunda-feira no território norte-americano e pediu que os moradores terminassem seus preparativos e em seguida, ficassem nas suas casas.

"Vocês precisam se preocupar em proteger suas vidas", disse McClintock numa entrevista coletiva.

Previsões meteorológicas computadorizadas mostraram Irene se movimentando para noroeste, ao longo do Haiti e de Cuba oriental e central e depois indo em direção à península da Flórida.

Mais conteúdo sobre:
CLIMA TEMPESTADE IRENE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.