Obama agradece Dilma pela atuação do Brasil na COP 21

Acordo de combate às mudanças climáticas foi firmado no sábado; Planalto parabenizou o presidente dos Estados Unidos pela liderança 'firme e proativa' nas negociações

Cláudia Trevisan, CORRESPONDENTE

14 Dezembro 2015 | 21h44

WASHINGTON - O presidente norte-americano, Barack Obama, telefonou nesta segunda-feira, 14, para a presidente Dilma Rousseff para agradecê-la pela atuação do Brasil na obtenção do acordo de combate à mudança climática aprovado em Paris no sábado. 

Segundo nota da Casa Branca, Dilma enfatizou a importância da liderança dos Estados Unidos no sucesso das negociações. "Ambos os presidente concordaram em relação à importância de os Estados Unidos e Brasil trabalharem juntos quando dermos início à fase de implementação do acordo", disse o texto. 

Em nota, o Palácio do Planalto informou que Dilma "parabenizou o presidente Obama pela liderança firme e proativa dos Estados Unidos nas negociações de Paris". O texto diz ainda que a presidente "expressou sua convicção de que a cooperação entre Brasil e Estados Unidos, ao longo de 2016, trará resultados positivos para o desenvolvimento e a paz mundial".

Na segunda-feira passada, Dilma e Obama já haviam conversado por telefone sobre a Cúpula do Clima de Paris e se comprometeram a trabalhar juntos por um acordo “ambicioso” sobre mudança climática.

COP 21. Neste sábado, entre muitos aplausos e lágrimas, ministros de 195 países aprovaram o "Acordo de Paris", primeiro marco jurídico universal de luta contra o aquecimento global. O documento histórico da 21ª Conferência do Clima (COP21) das Nações Unidas terá caráter "legalmente vinculante", e define, pela primeira vez um acordo válido para todas as nações, que terão de organizar estratégias para limitar o aumento médio da temperatura da Terra a 1,5ºC até 2100. 

O acordo prevê US$ 100 bilhões por ano para projetos de adaptação dos efeitos do aquecimento a partir de 2020. Trata-se do mais amplo entendimento na área desde o Protocolo de Kyoto, assinado em 1997.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.