Adriano Machado/REUTERS
Adriano Machado/REUTERS

Por contenção do óleo, ministro Salles e governador da Bahia se atacam no Twitter

Autoridades discutiram falta de ação um do outro, enquanto vazamento continuam nas prais da região

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

19 de outubro de 2019 | 20h04

SÃO PAULO - Neste sábado, 19, enquanto as manchas de óleo que atingem o Nordesde chegaram a locais paradisíacos como Porto de Galinhas, em Ipojuca, Pernambuco, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o governador da Bahia, Rui Costa (PT), ficaram trocando acusações pelo Twitter sobre a falta de ajuda do adversário para a limpeza das praias.

Na quinta-feira à noite, tuitou, de um celular Android, um informe com ações adotadas até então: uma reunião com prefeitos de oito cidades litorâneas para organizar o enfrentamento das manchas e a retirada de 155 toneladas de material. Nessa sequência de três postagens, ele cobrou presença do governo federal: "Precisamos de um posicionamento e de resoluções do Governo Federal, através da Marinha e do IBAMA, que são os responsáveis pelo cuidado com o oceano, mas continuam em silêncio", escreveu.

Na manhã deste sábado, Salles respondeu este tuíte, de um celular iPhone, dizendo que esteve "pessoalmente" na Bahia com equipes federais, mas que não teria visto "ninguém do governo estadual".

No fim da tarde, o governador rebateu o ministro. "De helicóptero realmente não tinha como ver. Fazer foto e dizer que trabalhou é muito fácil. Deixe de fazer política e trabalhe", escreveu. Costa também cobrou informações sobre as manchas. "O senhor já sabe o q causou esse gravíssimo acidente ambiental?" Por fim, o governador fez insinuação de que havia preconceito contra o Nordeste. "Além de nada, o que o senhor fez? Não quero acreditar em preconceito contra o Nordeste", escreveu.

A mancha de óleo acentuou atritos entre o governo Jair Bolsonaro e os governadores do Nordeste, região em o presidente teve sua pior votação. Na sexta-feira, oito dos governadores divulgaram uma carta conjunta em apoio ao governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), com quem Bolsonaro também havia tido atritos pelas redes sociais. "O país precisa de reunião de esforços para superar enormes desafios. É fundamental que este compromisso, que todos esperamos ver cumprido pelos gestores públicos, não seja debochadamente ignorado por alguém que deveria ser uma de suas maiores referências", diz trecho do documento. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.