Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Ponte da Sabesp é inteiramente coberta por grafite sobre preservação das águas

A pintura foi realizada por 16 artistas, coordenados por Rodrigo Dias, o Gamão, e é fruto do projeto Graffiti pela Água. É uma das maiores coberturas grafitadas em toda a cidade e a primeira sobre os rios que cortam São Paulo

Luís Filipe Santos, Especial para o Estadão

03 de julho de 2021 | 10h00

Uma ponte de 55 metros da Sabesp, próxima à Cidade Universitária, foi inteiramente coberta por um grafite sobre a preservação das águas, com um total de 1.200 metros quadrados de área coberta pela tinta. A pintura foi realizada por 16 artistas, coordenados por Rodrigo Dias, o Gamão, e é fruto do projeto Graffiti pela Água, criado por Rodrigo Cordeiro, responsável pelo 8º Fórum Mundial da Água, realizado em Brasília em 2018.

A pintura cobriu as duas laterais, as adutoras e a parte debaixo da ponte. É uma das maiores coberturas grafitadas em toda a cidade e a primeira sobre os rios que cortam São Paulo. A estrutura foi instalada na semana do Meio Ambiente e o grafite foi finalizado nesta sexta-feira, 2.

O projeto terá mais estruturas sendo pintadas: grafites em três chaminés de equilíbrio – estruturas metálicas nas margens dos rios – e também com pinturas em 30 telas que percorrerão a cidade com uma exposição itinerante, sempre com a temática da água. O Graffiti pela Água também deve ser levado a outras cidades brasileiras além de São Paulo.

De acordo com Rodrigo Cordeiro, a intenção é dialogar com os paulistanos com uma linguagem artística e visual, capaz de ser mais efetiva que a linguagem técnica. “Queremos despertar o sentimento de pertencimento com a água e com o rio que é parte da nossa cidade e da nossa vida”, afirma.

Gamão pede ajuda da população na questão da preservação do ambiente. “Precisamos da sociedade conosco nessa luta”, alerta. O artista é altamente identificado com essa temática, usando a indignação com as enchentes em Taboão da Serra, sua cidade natal, como inspiração para criar seus grafites.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.