Poluição reduz o efeito estufa menos que o esperado

Estudo diz que é precioso levar em conta o efeito negativo da fuligem, que aumenta o calor

Reuters,

18 Junho 2009 | 18h14

A poluição do ar, poeira e outras partículas minúsculas que podem refletir a luz solar de volta ao espaço estão desacelerando o aquecimento global num ritmo menor que o esperado, diz um estudo realizado na Noruega.

 

Veja também:

link Ásia poderá emitir 40% do CO2 do planeta até 2030

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

O trabalho, que busca ajudar a compreender como a mudança climática opera, disse que as estimativas científicas do potencial refletivo das partículas suspensas no ar subestimaram o acúmulo de fuligem preta, que tem o efeito oposto, acumulando calor.

 

"O carbono preto, ou fuligem, tem as emissões que aumentam mais depressa", disse Gunnar Myhre, do Centro para Pesquisa Ambiental e Clima Internacional de Oslo, na edição desta semana da revista Science.

 

Fuligem surge da queima de vegetação, como os incêndios florestais usados para limpar terreno para agricultura, e da queima de combustíveis fósseis.

 

Com os ajustes feitos para levar a fuligem e outros fatores em consideração, as partículas suspensas no ar reduzem a energia solar em 0,3 watt por metro quadrado, menos que o 0,5 W/m2 estimado por cientistas do Painel Intergovernamental de Mudança Climática (IPCC) da ONU.

 

Isso compensa cerca de 10% do impacto dos gases que aprisionam o calor na Terra, de cerca de 2,7 W/m2, disse Myhre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.