Poluição faz Pequim declarar alerta vermelho pela 1ª vez

Autoridades locais falam em 187 microgramas de material particulado fino por metro cúbico e Embaixada dos EUA, 206

Agências internacionais

07 Dezembro 2015 | 12h50

PEQUIM - Pela primeira vez na história, a cidade de Pequim, na China, emitiu alerta vermelho por causa da poluição. O mais grave alerta na escala resultará na proibição de circulação de metade dos veículos, na restrição da atividade de fábricas e da realização de obras a céu aberto, além da recomendação para que as escolas não funcionem. O Escritório de Proteção do Meio Ambiente recomendou ainda que as pessoas utilizem máscaras ou outras medidas de proteção.

Há dias Pequim estava em alerta laranja, o segundo mais crítico. A população chegou a criticar o governo na internet por não ter elevado o alerta antes, pois a situação já estava bastante grave.

Medições de material particulado fino na capital chinesa apontaram 206 microgramas por metro cúbico nesta segunda-feira, segundo a Embaixada dos Estados Unidos, e 187, de acordo com autoridades locais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera aceitável, no máximo, a presença de 25 microgramas por metro cúbico. As emissões são resultado, principalmente, das usinas de energia a carvão, queima de combustível pelos veículos e atividades das indústrias e da construção civil.

A previsão é que a capital chinesa fique sob a intensa neblina causada pela poluição, comum durante os invernos, por mais três dias. De acordo com o canal CCTV, em alguns locais da cidade a visibilidade foi de apenas 200 metros durante o final de semana.

O alerta foi emitido enquanto se desenrola a 21ª Conferência do Clima (COP-21), em Paris. A China é o maior poluidor do mundo. Em 2013, emitiu quase o dobro da quantidade de dióxido de carbono dos Estados Unidos e 2,5 vezes mais que toda a União Europeia.

Mais conteúdo sobre:
China Organização Mundial da Saúde OMS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.