Poluição de vazamento na Hungria diminui; Danúbio está normal

Contaminação nas vilas afetadas pelo vazamento pode durar ainda muito tempo, diz Greenpeace

REUTERS, REUTERS

08 Outubro 2010 | 13h39

 

Os níveis de poluição causados pelo vazamento de lama tóxica na Hungria diminuíram no Danúbio, e não há risco de uma catástrofe biológica ou ambiental no importante rio europeu, informam autoridades.

 

Veja também:

link Volume de lama tóxica na Hungria se aproxima ao acidente da BP

 

O ministro do Interior, Sandor Pinter, disse em entrevista coletiva que o vazamento não afetou o suprimento de água potável e a porta-voz governamental Anna Nagy  declarou que a cadeia alimentar está segura.

 

A Hungria declarou estado de emergência em três condados na terça-feira, depois que uma torrente de detritos tóxicos de uma fábrica de alumínio arrasou vilarejos, matando seis pessoas e causando graves queimaduras em dezenas.

Tibor Dobson, porta-voz das equipes de controle do desastre, disse que o pH no Danúbio estava em torno de 8, o que é considerado um nível "normal", abaixo do pH 9 registrado quando a lama alcalina atingiu o rio, na quinta-feira.

 

Embora haja uma boa chance do Danúbio sofrer apenas um pequeno impacto do vazamento, as vilas do oeste da Hungria que foram atingidas diretamente pela lama podem sofrer no longo prazo, advertiu o grupo ambientalista Greenpeace.

 

O diretor do Greenpeace húngaro, Zsolt Szegfalvi, disse que os níveis de arsênico, mercúrio e cromo estão especialmente altos na vila de Kolontar, a mais próxima à fonte do vazamento.

 

"Essa contaminação oferece risco de longo prazo tanto para as águas quanto para o ecossistema", diz nota da organização.

 

mais de 150 pessoas ficaram feridas no desastre. Muitos moradores sofreram queimaduras e problemas oftalmológicos causados por elementos cáusticos e corrosivos presentes na lama.

Mais conteúdo sobre:
danúbiohungriavazamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.