Poluição afeta sistema nervoso de roedores

Estudo revela que animais expostos a níveis de poluição semelhantes ao das grandes cidades sofriam de depressão

Mariana Lenharo e Alexandre Gonçalves - O Estado de S.Paulo

06 Julho 2011 | 09h59

Comprovadamente prejudicial aos sistemas respiratório e cardiovascular, a poluição também deteriora o sistema nervoso. É a conclusão de um estudo da Ohio State University publicado na revista Molecular Psychiatry. Segundo pesquisadores, evidências indicam que a poluição pode contribuir para o surgimento de doenças neurodegenerativas.

No experimento, um grupo de camundongos foi exposto a ar poluído e o outro, a ar filtrado. O nível da poluição foi semelhante ao encontrado nas grandes cidades dos países em desenvolvimento mais industrializados.

Após dez meses, os animais foram submetidos a testes comportamentais. Os ratos expostos à poluição estavam mais depressivos, ansiosos e com mais dificuldades de aprendizado.

"Os resultados sugerem que a exposição prolongada ao ar poluído tem visíveis efeitos negativos no cérebro", diz a autora do estudo, Laura Fonken. Para ela, essas conclusões têm implicações importantes para pessoas que vivem e trabalham em áreas urbanas.

Paulo Saldiva, médico da USP, recorda outros trabalhos que chegaram a resultados semelhantes. A relação entre moradia perto de corredores de tráfego e o aumento na prevalência de déficit de atenção e autismo em crianças já havia sido estabelecida por estudos epidemiológicos.

As crianças são mais vulneráveis a fatores ambientais, como a poluição do ar: até 40% das doenças pediátricas estão relacionadas a essas causas. A conclusão é de uma revisão de literatura médica desenvolvida pela Pontifícia Universidade Católica do Chile (PUC-Santiago) que foi publicada no mês passado pelo Jornal de Pediatria, veículo científico brasileiro.

Mais conteúdo sobre:
Planeta Vida Versão impressa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.